domingo, julho 05, 2009

Latidos do planalto

(foto que tirei na virada captando as luzes e a dinâmica apenas para destacar a música e o movimento sem photoshop)

Por Rafael Belo

“Eu nunca fiz isso antes, eu nunca fiz isso antes”. Sempre vem repetido. Quem já não ouviu ou disse... Não importa se sirva apenas como afirmação para uma autocrença. Nós gostamos do óbvio e de jogos lúdicos, mas nem sempre os entendemos, pois faltam neles o gosto primo: o óbvio. Assim ele fica lá pela infância e mineiramente nos afastamos dele no decorrer da vida. Paulistanamente ficamos só com a ilusão e paulistamente persistimos no óbvio ao repetir o antes nunca feito por nós.

Mesmo mineiramente (comendo quietos mesmos), paulistanamente (mais egoístas e solitários) e paulistamente (teimosos) - definições de dicionários que apreendi em alguma revista – somos ávidos por suicídios, mas só os anestésicos, esses “levadores” de neurônios e vergonha. Vai lá se reunir com os amigos e só mais uma ou o clássico mando no meu nariz (e o resto do corpo é quem paga) depois libera as esquizofrenias. Falando em línguas... Aqueles bilíngües ou “pseudobilíngues” soltam o idioma chumbado e arrastado em inglês, espanhol e invocam a terceira pessoa para se referirem a si, além de tudo ser engraçado ou dramático a ponto de chorar. Tempos de baladas. Não sei o porquê os políticos começaram a pipocar na minha mente...

Nada a ver com a palavra ridículo ou a fatídica república das bananas saltitantes em textos por aí, mas eles são como nossos cãeszinhos mal acostumados. E quem deixou os pequenos cães peludos tomarem conta da nossa casa da mãe Joana?! Os meus, os seus e os nossos bichinhos de estimação que me desculpem por tamanha ofensa comparativa (logo eu averso a comparações), contudo é bem óbvio o osso roído jamais largado na boca deles. Quando você deixa um cachorrinho entrar, deitar na sua cama e comer sua comida não há quem o convença dele não ser o dono da casa. Há um instinto deliberativo do disfarce descarado no qual eles passam por nós e fingem, com certeza, terem sido invisíveis ao passar. Ainda assim nós os xingamos e tentamos impedir a passagem. No final desistimos, dividimos nossa casa com eles e na inversão dos papéis eles tomam conta da gente. Espero não sair latindo por aí e passar raiva no planalto porque nunca tomei anti-rábica!

8 comentários:

||Walkes Vargas|| disse...

Ótima postagem...
realmente abre os nossos olhos de como exatamente é nossa democracia!
se eh q podemos xamar de democracia!

Rafael Belo disse...

Quem? hauahau Valeu Walkes. Vamos chamar assim por enquando (democracia) para não criar alarde hauahau

juliana disse...

exatamente, as pessoas deixam as coisas se acomodarem, mesmo não sendo bom para ela, elas acostumam com aquilo imposto, ameii Rafaa ;D

Rafael Belo disse...

Acomodação nosso nome do meio... valeu Ju bjs

Deise Anne disse...

é assim que nos tornamos brasileiros... alguém disse isso uma vez.

Rafael Belo disse...

Esta frase foi um arremedo de Cazuza hehehe obrigado Deise

Cris Araujo disse...

Como despejar estes invasores que se apossaram da nossa casa, uma vez que permitimos de forma democrática a entrada deles????

Rafael Belo disse...

QUe tal o Dr. Pet?! Talvez não reelegermos mais? Que tal uma reforma partidária real? Ou uma destituição em massa? QUem sabe deixarmos de acomodações e queixas e sabe protestar? Boas opções Cris? hauah valeu