domingo, julho 12, 2009

Margens


(tirei esta nas margens do Rio Paraguai em Porto Murtinho/MS)

Silêncios e sons são toda esta explorada visão
Da nossa inexplorada melodia
Canção cantada no nosso notório silêncio
Perante protestos da sala sonora
Povoada de falas para não pararem os sons

Caos e bonança fazem feita a circunstância
De tantas desigualdades desiguais de tons
Para alguns ouvidos, arpões da pesca
- predatória dos raros “pensatos” a boiar
“Sões” para alimentar os silêncios

Chegam às orelhas a dor da pauta, “dolor” da pausa
Desfazendo o bolor dos surdos ouvintes
Propenso ao suicídio do fungo dos neurônios
Já pelas telhas da mente, ateia fogo no fundo
Ao vazar do propano tenso
Na ardência interna, há uma nova terra à vista
Onde floreia a ausência alternada em presença
Sustenta um ritmo íntimo margeado de sons
E sãos silêncios

02h32 Folha de Outono (Rafael Belo) 10 de julho de 2009.

10 comentários:

Casa Pré Fabricada disse...

Oi, Rafael. Sentimento deveria ser sempre espontâneo, mas há pessoas que os finge e foi a isso que me referi no meu texto. Quis dizer que prefiro me manter na minha a demonstrar algo que não sinto só porque seria conveniente à situação, entendeu?

Obrigada pela sua visita e apareça sempre.

Gostei do seu blog.

Bjs e boa semana pra vc.

Rafael Belo disse...

ENtendo sim, hehe! E verá pela minha provocação no "texto" "Sobre o amor (injustamente) platônico. Obrigado e volte, pois eu voltarei (ao seu) sempre beijos boa semana

La Sorcière disse...

Olá Rafael! Obrigada pela visita ao La Sorcière.
Na verdade, a sorte foi minha pela sua visita, assim descobri seu blog, que é incrível!!!
A poesia é de sua autoria, não é?? Que linda Rafael....adorei:
" Silêncios e sons são toda esta explorada visão
Da nossa inexplorada melodia".....
Virei sua fã!!
Bj

Deise Anne disse...

Nesse a poesia foi só complemento da imagem. Linda foto, linda paisagem. Sensilibilidade a flor da pele, captar uma imagem assim. Simples e muito significativa.

Jamylle Bezerra disse...

Que lindo. Adorei o blog. Palavras usadas com sensibilidade. Voltarei mais vezes por aqui. Obrigada por visitar o Com a Palavra...

:)

Vinha. disse...

Olá Rafael!
Obrigada pela sua visita nos meus blogs.
Que bom que vc gostou do texto (Pop Star) ;D
Volte sempre lá viu ;~)

Gostei do poema e do seu blog!

Bye
Vinha.

Rafael Belo disse...

FIco "lisonjiado". Sim, La, Só posto "coisas minhas" hehe Obrigadoo . ANtes postava três por dia entre minicontos , crônicas e poesias. Agora apenas um por dia. bjs

Rafael Belo disse...

Fico agradecido Deise. Obrigado e De nada Jammyll, foi um prazer. Difícil não gostar , Vinha, volterei sim e obrigado eu. bjs

Stella disse...

O silêncio, essa pausa no meio do dia é uma das experiências mais renovadores que podemos passar.

Sobre a foto: o lugar é lindo!

Beijos

Rafael Belo disse...

Sim. É mesmo. "O que seria do som se não houvesse o silêncio". Obrigado Stella. Adoro a foto também. Porto Murtinho e sua barragem. O RIo PAraguai toma todo esse espaço na cheia. Beijos