segunda-feira, julho 13, 2009

Névoa negra


(tirei esta na frente da facul, no antigo fim de tarde pós rádio)

negação nivela nervos
aliterários
navega em olhos irritados
ao naufrágio assombrado
saber aceitar

algo templário – de contemplar
na mudança de tempo

inexpressível de entendimento,
mas em expressão secular

banido das multidões para as massas
há o modelar tsunâmico dos mares

um avesso oceânico
de nossas gotas nas ondas

as ondas passam

nosso equilíbrio nas cristas
nos torna surfistas,
mas também foragidos

filhos adotivos das sombras nas cavernas
amontoadas em eras de alegorias

feitas d nossas feições temerárias
de ensaios da alegria

empresária da vastidão
nas muambas de “a(´)goras”

02h54 Folha de Outono (Rafael Belo) 10 de julho de 2009.

10 comentários:

Mai disse...

Olá, Rafael, vim retribuir tua visita, agradecer teu comentário e adesão ao 'inspirar-poesia'.Interessante o registro de expressões compostas que encontrei aqui: Folha de outono, olhares do avesso, névoa negra, sombras na caverna, avesso oceânico... Expressões que denotam a tons e emoções adensadas.

Mas gostei e, por certo, voltarei.
Abraços,

Rafael Belo disse...

Obrigado Mai. Srá sempre bm vinda e "de nada". beijos volte diariamente

Casa Pré Fabricada disse...

Acho que me encaixei em algumas coisas, especialmente pq adoro o mar.

Bjs

La Sorcière disse...

A combinação de suas fotos com poesia é tocante e de uma delicadeza que conquista...
Parabéns,
BJ

Rafael Belo disse...

QUe bom que se encaixou com algo, "Casa". AH, o mar... bjs

Rafael Belo disse...

QUe bom ,LA! Que bom que a intenção dá certo. E muito obrigado. bjs

Stella disse...

A foto me lembra muito o por-do-sol lá da faculdade. É bem bonito.
Belo poema, rapaz. Mas tenho medo do mar... rs
Me lembrou um pouco aqueles poemas portugueses sobre navegações...

Beijos

Rafael Belo disse...

alguns "poemas portugueses sobre o mar" são assustadores. Era minha visão quando trabalhava na faculdade à tarde, interessante. Muito Obrigado , Stella. GOsto destes versos XD

Tathy Panziera disse...

"negação nivela nervos"


Eu gostei disso...
Mas, não nivela nada! FATO

Rafael Belo disse...

quando "textuo" aliterários me refeiro a aliteração sabe repetição de fonemas iguais... para dar uma sensação onomatopéica e mostar nosso medo de se expor. É isso hehe obrigadooo tathyta hehe