quarta-feira, junho 02, 2010

Ponteiros tortos

8 um formigueiro vive em nós mais obediente e com menos formigas ... o tempo e nós, nós do tempo... tirei na porta de casa depois da chuva.


Relógios se perdem em pulsos nus
feitos confusos fusos difusos no tempo
emaranhado as rugas de desculpas imaginadas
nas atas atadas de soltos pensamentos
testando momentos regulares nas folhas incertas de zoneamento similares
aos rastros dos celulares ondulando impulsos crus
ecoando em um espaço fácil de saber as horas
dona das memórias biológicas cansadas de acertarem os ponteiros
matreiros pentelhos a nos dizerem o próximo feito
aonde quer que estejamos, seja lá o que somos ou o que nosso tempo fez de nós... Feitos (di)minutos.

Às 15h02 (Rafael Belo/Folha de Outono) 02 de maio de 2010

3 comentários:

Mônica disse...

Ih, acho que vc tá de cisma com o tempo...rs

Tem desafio pra vc lá no blog, Rafa!!

Bjs.

Naty Araújo disse...

Amei essa parte:
"testando momentos regulares nas folhas incertas de zoneamento similares
aos rastros dos celulares 'ondulando impulsos crus'"

Nossa... que criatividade. "Ondulando impulsos crus"... vou ficar com essa na cabeça e sem perder meu tempo por aí.

Beijos, Belo.. vim correndo te ler e já estou correndo para voltar ao seviço que me espera rsrs.

Rafael Belo disse...

nada é o tema da semana... rs verei em breve... obrigado rsrs bj

espera rsrsrs que fique na cabeça então srsrs obrigado querida bj.