quinta-feira, setembro 23, 2010

República falida da falácia ‘gananciada’

(trabalhamos pelo trabalho, dormimos pela necessidade... tirei na Stock Car)

Por Rafael Belo

Queimando as mulheres pelo Conhecimento e independência que tinham. Coibindo e negando Conhecimento pela apropriação assim era nas antiguidades, assim era a Igreja, assim era a Inquisição, mas conjugando corretamente assim é. Assim são as coisas. O domínio do saber público se torna privado por interesses, pelo poder, pelo maldito papel moeda de circulação tão ‘gananciado’ (reverenciado e queridamente desejado) pelo corruptível ser humano. A manipulação pelos príncipes maquiavélicos fajutos faz parecer anti-heróis tantos seres da falida política aos moldes greco-romanos.

Fato é: para ser tragédia grega é preciso de uma mudança no fim ou uma morte heróica, passando pelo meio o reconhecimento...! Mártires chegaram ao fim também. São lavados secretamente entre palavras verbais pré-existentes lá no início dos mitos da criação da civilização, transmutados, recortados, ‘manipulados’ para o efeito desejado, para uma missão implantada. Há sim uma Força Maior, mas quantos de nós realmente A seguimos?! Esta é a tragédia. Nossa vida vinha a respirar como peripécia, depois nosso reconhecimento quanto ‘atores’ do/no mundo e no fim nossa morte nada trágica porque qual foi a mudança proporcionada por nós? Qual será? Mais conivência em um mundo pessimista?!

Podres de gestões em época eleitoral já putrefatos há tempos ‘surgem’ como novidade e salvação para a cultura cristã propagada do pudor, da ética, da moral, dos mandamentos - não seguidos -... Nossa submissão ao ‘não é nosso problema’ é tão de joelhos quanto nossos olhos, boca e ouvidos fechados. A coletiva cegueira de sentidos mostra o quanto estamos falidos, o quanto estamos fadados a canina morte por botinas pisadas nas nossas caras. A diferença é a beca que agora é sorridente feito o “Advogado do Diabo” e ao invés de botas calça um ‘belo’ sapato de marca.

Mas, se fazemos nosso destino - contrariando nossas crenças religiosas – é falácia falar em falência, confesso. Acomodação cai melhor. Algo como ‘não mexe no meu e eu não mexo no seu’. Nossa adoração a celebridades, a pastores de duvidosa retórica e a populares imagens mitografadas (que tornamos mitos, gravamos as imagens e as propagamos) é um afronta fatal a nossa suposta racionalidade porque por trás dos panos continuamos censurando e queimando mulheres nas fogueiras das nossas vaidades.

4 comentários:

Mônica disse...

Rafa, Rafa, tô em dívida com vc!!
Obrigada por sempre estar presente lá no blog.
Beijos!

Jamylle Bezerra disse...

Hoje é cada um por si. É triste, mas é a realidade. Até parece que os políticos estão preocupados conosco né? Infelizmente a preocupação com o próximo não está em "moda".

BOa semana!!!!

Deise Anne disse...

ainda ha muita condenação preconceituosa nesses tempos contemporaneos. a gente finge que é livre, mas nao sabe o que é isso. vivemos subjugados, infelizmente.

ótima semana, rafa! :)

Rafael Belo disse...

PAgue quando puder, querida, MAS PAGUE! hauahau beijos Nikinha;

Ah, modas... rs beijos Jamy obrigaduu;

subjugados e calado como criminossos cúplices rs, Obrigado bela Dê.