segunda-feira, fevereiro 14, 2011

Esconderijos verbais


*( As ondas invadem as praias e nos dão a sensação de sempre 'irmos e virmos' - captei na Praia da Daniela em SC)

Dito não dito desdito, palavras traçadas atrás das moitas
em um sexo selvagem entre vogais desconexas, absortas
na vontade de crescer e apoderar-se de poder, hipocrisar-se
com a hipocrisia de se vender para comprar-se, morto-vivo
variando em um mundo de espelhos, onde os banheiros são públicos
lúdicos das calçadas sanitárias com dejetos jogados nas caras boquiabertas

Do abraça-me carente do ranger dos dentes variados pela loucura
de subir no muro para entreter a luxúria de estar perdido no inferno particular
verborrágico de blábláblás sem fins com consoantes conjugadas em qualquer julgamento
de martelo ereto para desperdiçar as falas em ouvidos encerados no descer da construção de frases esquecidas na pessoas escondidas dos textos mal-encarados da interpretação nos esconderijos verbais.


Às 12h53, (Rafael Belo) 14 de fevereiro de 2011. 

3 comentários:

Jamylle Bezerra disse...

Cada vez que eu venho aqui me arrependo de não ter vindo antes! Gostei das mudanças no blog... tô brincando de trocar a roupa do meu também. Passa lá depois pra dizer se gostou ou não da nova cara!

Boa semana!

Prometo não ser mais tão ausente!

Deise Anne disse...

Uma palavra define seu texto para mim: voraz! verborrágico!
Muito bom, querido!
Beijos

Rafael Belo disse...

Não se arrependa linda, somente venha, as postagens sempre estarão por aqui, obrigaduu rs bjs;

Ler isto de ti é uma honra linda, obrigado, bjs.