sábado, outubro 29, 2011

Bem atentos nossos ouvidos ficarão


(*Bem aprecia o dia indo, rumando para o fim, distante em seu galho mediano refletindo luz do céu ao chão...  captei há dias no sítio da Fran)


por Rafael Belo

Bem-Te-Vi se empoleirava no galho mais alto no início da dissolução da noite. Não podia ser dito cedo demais, tarde demais ou pontualmente. Era um horário sem tempo pertencente apenas a ele. Bem, escolhia a mais alta árvore mais a leste, bem no oriente mesmo e apontava o bico para o horizonte. Quando o primeiro cálido raio o atingia, suas asas se abriam, suas penas se arrepiavam e o anúncio alvo da manhã vinha da conexão da sua imensa alma incontida no coração. Seu canto incansável chamava a alvorada com o teor de barítono mais envolvente proporcionado pela natureza. 

Só depois da Primeira Hora, Bem avisava: bemtevi, bemtevi, bemtevi... Passava o dia contando a maravilha vista e descrevia de maneira tão visual para seus iguais a tornar impossível estes também não terem visto. O dia se formava de peitos amarelo-sol cheios da verdade do alvorecer e todos podiam enredar para o mundo: bemtevi, bemtevi, bemtevi... Começaram a bem verem Bem e tentavam amanhecer junto a ele, mas Bem sentia quando a noite se entregava aos primeiros raios e nunca foi segundo. No entanto, nenhum imbuído do alvo solar deixaria de ser primeiro. 

A revoada da alvorada, agora, criava eclipses penosos e o amanhecer demorava um pouco mais para todos os outros seres. O estufar do peito e o cantar do prenúncio das manhãs antecedia os galos gritantes e todo o leve amarelo inicial dos pássaros iguais a Bem se transformou no intenso dourado branco. Eles bem esvaziavam a mente e deixava o dia vindouro cantar por meio deles. Agora o local de Bem era de todos e Bem logo partiria para Bem incentivar outras asas a serem o primeiro som gracioso antes do total despertar para o dia. 

Seu canto é ouvido como despertar diferente e sorridente para cada ouvinte. Aqueles que ouvem apenas os bemtevi, bemtevi, bemtevi... Acabam por enxergar a manhã de Bem. Acabam por renascer com vontade de crescer e partilhar a alegria de mais uma manhã e Bem bem fica próximo a todos e às vezes brilha na mente de quem está disposto a ouvir e espera paciente ser ouvido por quem ainda não escuta. Suas asas libertas vão acima rumo ao sol, bem a leste, bem ao oriente e quando repousa, repousa bem no fundo de nossa alma cantando no nosso profundo, aguardando ouvir a hora do nosso cantar.

3 comentários:

Luna Sanchez disse...

Seriam mensageiros de paz?

Bonita e sensível a tua percepção, Rafa. Inspiradora, eu diria.

Um beijo, moço querido.

Jamylle Bezerra disse...

Sensível por demais, eu diria!

Gosto muito do cantar dos bem-te-vis. Acertou em cheio mais uma vez, Rafa.

Boa semana pra vc!

Rafael Belo disse...

Obrigado Luna e obrigado Jamy! Bom tê-las por aqui.;