quinta-feira, novembro 10, 2011

Amarelo formiga

*(polenizamos a vida mesmo na nossa pequenez agigantamos o amarelo) RB
Amarelo formiga

O nariz vermelho reluzia o reflexo da realidade
raiz espelho da fantasia dos outros sobre nós
atados a pequenez agigantada pelo amarelo [identidade
perdida na voz pela vastidão do nosso silêncio a sós

ecoando a lúdica luz lívida no novo ato amanhecido de raridade
rarefeito efeito feito do amarelecer das lágrimas escorridas dia das nuvens

poço raso sem fim da alegria procurada na amplitude da vida em profundidade
a se encontrar no desfocar dos detalhes divinos sem nós
sem sós, de sóis a sóis no desbotar desabrochado no interior do olhar sem idade

brilhando as cores deflagradas do instante inebriante do nosso acontecer.

Rafael Belo – 9 de novembro de 2011, às 7h45.

6 comentários:

Isolda Herculano disse...

Rafa. Ótima composição e percepção para o seu título. Amarelo formiga casou.

Rafael Belo disse...

Is Is Is ! Que bom vc de volta! Muito obrigado mesmo! bj.

Deise Anne disse...

belas cores poéticas. você captura o mundo com suas palavras e olhar, rafa!

Rafael Belo disse...

Obrigado querida De! Sua palavras são um acalento poético! bom fim de semana.

Luna Sanchez disse...

O amarelo vivo te pertence, é teu!

Adorei, Rafa!

=)

Um beijo grande.

Rafael Belo disse...

obrigado ao pertencimento, Luna! agradeço e reverencio bjs ótimo fim de semana! amanhã tem mais rs