quinta-feira, novembro 03, 2011

Outros portões

(quando as árvores caem as nuvens fazem as sombras até aprendermos
que os portões são outros e iluminarmos... Captei também na estrada)
por Rafael Belo

Depois do granizo cair por cerca de meia-hora, de árvores cederem e materiais serem danificados, amanheceu. O vento ainda estava na memória e os habituais congestionamentos de horários de pico se repetiram em um domingo. O chão havia se aberto pela enxurrada empurrada pelos ventos lá no Nova Lima e ali no São Francisco, Campo Grande se concentrava na Avenida Tamandaré e na Rua São Higino que dão acesso a Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Quando passaram pelo congestionamento, candidatos a cargos da Saúde – médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem... – arrombaram o portão já fechado por passar do horário estipulado.

Tanto a ‘nova’ cratera do Nova Lima a indignação dos em cima da hora por ‘n’ motivos tiveram repercussão nacional. Ambos promoveram outras indignações. Os candidatos argumentaram o atraso devido às chuvas fortes da madrugada e a em menor quantidade a precipitação da manhã. Mas, mais precipitado impossível o tal arrombamento que resultou em... Nada. Caso os ‘invasores’ tivessem êxito e conseguissem realizar a prova, aí sim o concurso público seria anulado. Não julgo – nem tenho este poder ou vontade – mas, em todo e qualquer concurso público os editais estipulam a chegada dos candidatos de no mínimo uma hora antes do início das provas. Salvo quem é de fora da cidade, os congestionamentos da região são história há tempos. Seja qual for a desculpa – real ou mentirosa – os que chegaram cedo merecem o respeito... Para chegar na hora, às vezes é preciso mesmo madrugar...

Já o buracão do Nova Lima só me remete aos sentados no poder para enrolar. É visível a má-qualidade do asfalto pela finura dele e os riscos levados aos moradores do entorno. Daí o responsável fala da espera de verba da União de R$ 5 milhões que, se sabe lá por que, não chegou aos cofres campo-grandenses... A espera de recursos nacionais para resoluções locais é um melodrama novelesco utilizado no poder público explicativo de toda cidade ultimamente...! Depois ainda perguntam o motivo do povo não acreditar na política atual... AS eleições chegam novamente em poucos meses e avaliar e escolher com consciência deve mudar a descrença brasileira.

Pergunto para onde vai o dinheiro dos impostos. São centenas de multas por dia em cada cidade, milhares de ‘tributos e taxas’ e a saúde pública precisando ser internada, a educação ainda mal-educada, o transporte segue caótico e o que vemos é ‘investimento’ em saneamento básico e recapeamento das vias das cidades. Que o granizo volte a cair e os candidatos a um futuro melhor a partir do presente voltem a arrombar portões, mas aqueles que resultem em algo: os do Congresso, das prefeituras, das Câmaras, Assembleias, principalmente o de suas Consciências.

2 comentários:

Luna Sanchez disse...

Senti vergonha, Rafa, por, de certa forma, participar dessa sujeira.

=\

Um beijo.

Belo texto, como sempre.

Rafael Belo disse...

é querida, de certa forma todos participamos. o importante é ter vergonha e agir!