sexta-feira, dezembro 16, 2011

O Desejo pelo outro nos move


Trilha 'O Desejo Pelo Outro Nos Move' - Ultraje à Rigor - Sexo

(*Flores e espinhos sempre podem se encontrar, despidos ou em
 uma dor gostosa) Foto: Rafael Belo

por Rafael Belo
Toda forma de amor é possível. Assim como abandonar as pessoas sem sair do lugar ou estando dentro delas. Não da maneira metafórica, imaterial, mas invasiva, sexual, carnal... Afinal, todos se autodenominam grandes amantes, mesmo o sexo sendo rotineiro e até ruim, sem sentimento, pois o fingir geme um som eufórico. Alguém já disse uma vez: Você não pode ser feio, as pessoas ainda não te conhecem... Mas com as genitálias não é assim, se você não proporciona prazer e não o sente, se você não toca no lugar exato e é tocado no lugar suspirável, não liga o GPS corpóreo de sensibilidade, é só mais uma vez. Se bem que se tratando de nós, homens, o cio é constante, e o gozo intermitente nem é prolongado como o das mulheres. Já se tratando de nós, humanos, o desejo pelo outro nós move.

Não importa a orientação sexual, o vasto órgão... Chamado pele... Espalha-se em incontáveis experiências a serem descobertas pelo outro. O maior paradoxo, nesta nossa nova era veloz, é este paralelo entre o acesso a tudo instantaneamente e o distanciamento imediato, contudo é este acesso ao mundo digital a facilitar o conhecimento dos mapas do prazer e levar o parceiro ao êxtase. O autoconhecimento e o autocontrole por meio das manipulações digitais dos genitais em parceira com as cenas explícitas expostas pela rede de alcance mundial também geram uma harmonia entre homem/mulher, homem/homem, mulher/mulher e por aí vai – e vem...

Não diria ser o abandono do egoísmo em prol do prazer da parceira (o), porque muitos homens (quiçá mulheres) o fazem pensando logo mais: “agora é minha vez”. O famoso dar para receber - também lido atualmente como receber para dar. Não falo do colecionamento de “saidinhas” - eu escrevi isto?! - noturnas, diurnas, colegiais, universitárias, experimentais... As aventuras recorrentes dos solteiros normalmente regadas a álcool, drogas, inconsciências – com muitas exceções.  Há claro, nestas exceções, o sexo sem compromisso, mas qual o ponto já ultrapassado – falo disto -de nós a não se comprometer em uma relação sexual? Sexo é bom e confirmo minha pieguice ao escrever: sexo com Amor é inesquecível. Sem esquecer: sem conversar e sem química o inesquecível pode sair às avessas, mas ainda sim jamais sair da memória.

Indiscutível (?) é escrever: o desejo faz nosso olhar invasivo e nossas ações moverem céu, inferno, terra e purgatório independente de sua fé ou ateísmo. O sexo está em toda parte, mas fazê-lo em todo lugar onde está pode levar a duas coisas: atentado ao pudor – consequentemente cadeia e... Sexo (?) - ou voyeurismo. Este do qual todos sofremos, principalmente se os desejos sexuais forem platônicos e idealizados. Ainda assim, as vitrines diárias, as ruas, e as ladras das janelas, as tevês, nos resumem ao desejo e um presumível movimento de vem e vai onde somos imagéticos seres comestíveis e canibais de nós mesmos... E o pior gostamos disso e mordemos os lábios lambidos.

5 comentários:

Suzana Martins disse...

O sexo, com amor, é inesquecível e perfeito!

Gostei demais da sua maneira de expor esse assunto.

parabéns!

Beijos

Luna Sanchez disse...

Sexo com amor é melhor do que sem, é claro, mas sexo por desejo, por vontade, por oportunidade, por afinidade ou simplesmente por sexo pode ser bem bom também.

Não me enquadro nessa onda de puritanismo que parece ter voltado à moda, Rafa, não sei se tu já reparou nela. Com consciência e respeito pelo outro, ninguém precisa esperar o grande e verdadeiro amor da vida chegar, até porque tem gente que entra e sai da vida sem nunca conhecê-lo.

Isso, é claro, passar uma vida toda sem amar, não é culpa das pessoas. Mas, por conta disso, passar uma vida inteira sem prazer sexual, é.

Sou muito prática e frontal, o meu romantismo não é idealizado, por isso que, repito, não me enquadro no perfil.

De qualquer forma o teu texto está muito bom.

;)

Um beijo, ótimo fds.

Rafael Belo disse...

É mesmo não é!?! Obrigado Su, obrigado mesmo;

Claro que é querida Luna Querida! Também não Luna rs e o texto fala do sexo de qualquer maneira desde que por iniciativa de ambos, e claro que quando você ama é tudo amplificado, mas a banalização passou de ser ridícula, e nos tornou só carne. obridaduu Guria da boa rs

Jamylle Bezerra disse...

Sexo sempre rende boas discussões. Com amor, sem amor... depende do momento!

Para pessoas decepcionadas com o amor, talvez isso não faça tanta diferença...

Beijo e bom domingo querido!!!

Rafael Belo disse...

Jamy! discussão, falação, felação... Sexo sempre faz diferença rs decepções passam e nos fortalecem! bjs ótima semana!