quarta-feira, setembro 05, 2012

Pela Janela Viva

Pela janela há dois lados parados
lado a lado com o medo interno disfarçado
de um destemido exterior

pela janela há os olhos olhando serem olhados... Pela janela
tudo passando sem se mexer, sem tocar a juventude da gravidade
tardia idade... Gravidade de envelhecer sem crescer, estática tela

de um tempo branco em branco com as cores concentradas no descolor

é madrugada e parece o amanhecer não vir
mas, na infância longa, se alonga uma tímida luz
pela janela viva aonde um novo dia cintila o pudor do porvir.


(às 18h15, 4 de setembro de 2012, terça-feira, Rafael Belo)

2 comentários:

Marycleide Vasques disse...

Rafael...
que venha o melhor dos dois lados,
que se abra as abas das janelas,
que saibamos escolher entre a brisas,
e que finalmente, recebamos o suave aroma do melhor e mais belo da abas das janelas.

Rafael Belo disse...

Aprender sempre é preciso! Sejamos paisagem em movimento e possomos ver nosso movimentar! o brigado Mary! bj