quinta-feira, agosto 22, 2013

Desmembro

Desmembro


No silêncio do pensamento até a mente se calou,
por um eterno momento todos os sons e vozes cessaram,
os amigos se desalgemaram e tudo que era escuro se apagou

no doido instante doído, a pulsação voltou livre e o coração se acalmou

de olhos fechados até então, se abriram e nada era mais casual

nem menos, ou qualquer conta que aponta igual exatidão

era tudo verdadeiro até o ciúme provar que não,
até nos desmembrarmos em ilusões desimportantes

e a cabeça independente ser tão mão quanto coração e alma
no semblante do impossível passando o tempo nas linhas da palma
com a amizade brotando na estante.

(Rafael Belo, às 18h26, quarta-feira, 21 de agosto de 2013)

2 comentários:

Unknown disse...

lindo,demais,show,estou sem palavras.

Christiane Mesquita

Rafael Belo disse...

Obrigado. Chris. Muito contente porque gostou rs