segunda-feira, fevereiro 10, 2014

Os Três Macacos Sábios

Os Três Macacos Sábios
por Rafael Belo

O apocalipse anda de boca em boca como uma bactéria na saliva. Vem como obscuridade, como um fim iminente, como uma entidade própria, eminente. Longe do seu grego original apokalúpsis (ação de destapar, revelação. Junção do verbo kalýpto – cobrir, esconder, ocultar, velar - com a preposição apó – indica um movimento de afastamento ou retirada de algo que está na parte externa de um objeto). Longe de ser o que é, revelação. Porém se olharmos bem revela sim. Tudo revela se prestarmos atenção. Atentos, vemos o quanto sucateamos com nosso toque de Midas às avessas.

Não é à toa que morremos todos os dias. Matamos também. Matamos a cada virada de rosto dado, a cada atravessada de rua feita, toda a ignorância não assumida e espalhada por nós, toda vez quando nos fazemos dos três macacos não vendo, não ouvindo e não falando. Aliás, está aí outra distorção “adaptativa“. São os Três Macacos Sábios parte de um templo do século XVII. Santuário Toshogu, em Nikko, Japão. Eles ilustram a porta do Estábulo Sagrado. Seus nomes são Mizaru, Kikazaru e Iwazaru. Literalmente não ouvir, não olhar, não falar.

São bons exemplos, na verdade. Significam que se não ouvíssemos, olhássemos e falássemos o mal alheio, teríamos comunidades com paz e harmonia. Segundo, o folclore local, a origem dos Três Macacos Sábios é chinesa e foi levada ao templo por um monge budista chinês. Se nossas salivas ficassem nas nossas bocas e saíssem quando trocássemos paz e harmonia poderíamos não ter sucateado o mundo. Mas, teorias do passado e futurologias são tão precisas quanto encontrar um grão de areia no meio de uma tempestade no deserto.


Além disso, estamos tão propensos a avaliar, a julgar, a planejar, dosar revelações a ponto de perdermos realmente as referências e acreditarmos em tudo, mesmo desconfiando de todos. Se estivéssemos atentos de verdade, veríamos o kalýpto. Dissimulação e disfarces divulgados como descobertas, como novidades... Um controle sobre nossas mentes e corações sempre escondendo “algo pior”. Mas daqueles que desejam o poder, quais querem paz e harmonia? Preferem usar os Três Macacos Sábios da maneira que lhes convier. 

Um comentário:

José María Souza Costa disse...

Olá.
Que você tenha uma semana com muita paz, muita luz e muita paciência. A vida, é assim, alegrias e contornos. Por isso, nada melhor que um pensamento positivo.
Recebas, o meu sentimento de amizade, aliado à um abraço.