sexta-feira, abril 25, 2014

Borboletas Amarelas (Miniconto)



por Rafael Belo

O cachorro entrou desavisado. Não era por não saber... Empolgou com a visita. Não notou o rosto tenso, bravo do cidadão. Este gritou: fora cão. E o cão, Furacão, feito desta espécie de tornado, foi. Inclusive o canino, fora encontrado depois de um destes raríssimos fenômenos no Brasil, ainda mais em Mato Grosso do Sul, bem no epicentro do levado vento. Por isso o nome, não tem nada de criatividade, foi o fato de fato. Bem notificado, Furacão foi atropelado pelas próprias festas na cabeça, chamados pelos humanos de pensamentos. Um hora pensava e latia: ele chegou ele chegou ele chegou e, ao mesmo tempo, não posso entrar não posso entrar não posso entrar... Por isso entrou, mas saiu... Uma Borboleta Amarela voava...

Furação agora pensava latidos e rosnados enquanto chorava baixinho se encolhendo na porta. Só queria afago e atenção. Mas, então, um dos seus pensamentos depois de anos de solidão. Isto porque se cada ano seu eram sete humanos ele vivia 8 mil 760 dias por ano e 24 dias a cada 24 horas, claro, nas contas dele. Furacão não era bom em exatas e sim em humanas...  Ao falar com o dono só latiu aos ouvidos deste. Apenas para ouvir novamente: fora cão!! No entanto, se fez de confuso e olhos de abandono. O cidadão o olhou e acabou se comovendo. Certo, pode ficar. Mas sem pular e lamber... Várias Borboletas Amarelas voavam...

Cidadão ouviu algo, mas preferiu fingir serem só latidos de alegria. Furacão revelava algo sempre esquecidos pelos humanos: A IMPORTÂNCIA DAS BORBOLETAS AMARELAS. Elas passam constantemente na nossa frente, mas são tão delicadas e discretas... Nem percebemos, mas nos sentimos em alerta. As Amarelas produzem as lufadas de vento misteriosas. Estas levam os perigos fatais e criam cada vez um furação no meio do mar. Mas, às vezes, ganham nome de gente e vão para as cidades e causam devastações. Longe de nós porque, estas Borboletas Amarelas, são exclusivamente brasileiras. Centenas delas passeavam pelo vento ao redor daquela casa...

Borboletas Amarelas vivem só um dia e depois descolorem. Viram um contorno do próprio vento. Não percebemos o quanto nos salvam da autoextinção. Seu efeito é em massa, é Borboleta... Quase as mesmas funções de Furacão. Cidadão olhava intrigado para Furacão. Este, agora, recebia afagos e, vez ou outra, Cidadão, concordava com pequenos sim’s no balançar da cabeça. Lembrou do dia do filhote Furacão. Quando o encontrou. Lá na China uma Borboleta Amarela saia de um casulo. Foi lagarta no meio das roupas de uma filha de chineses moradores do Brasil enquanto no Brasil uma lufada de vento latia. Ao mesmo tempo da lembrança, sentia várias lufadas de vento no rosto... Lá fora milhares de borboletas começavam a bater as asas.


2 comentários:

José María Souza Costa disse...

Olá,

Um abraço. E mais, tudo de bom.

Anônimo disse...

a pintcher deve estar esperando seu dono correndo atrás das borboletas e passarinhos..........belo texto. mamys