segunda-feira, abril 14, 2014

Choremos um pouco a cada dia



Choremos um pouco a cada dia
por Rafael Belo

Sabe, estamos cheios de manias de amenizar os acontecimentos na vida. Sempre é um diminutivo aqui, um é normal acolá e sobra eufemismos por aí. A imagem da força, o peso de temos de ser forte, agora é com você e várias variações desta duas frase de “consolo” enchem as nossas bocas. Não sabemos ficar em silêncio e nem respeitá-lo. Nos sentimos na obrigação de dizer algo. Mesmo quando temos a mais absoluta certeza de quão inútil é. Não existem estes clichês de o tempo cura tudo, de chorar não adianta e superamos tudo. Mas superação é sair de um situação ruim para uma boa. Nada disso convém quando falamos de sentimentos.

Nós precisamos chorar e respeitar o quanto precisamos nos fazer lágrimas. Há a necessidade cronológica da mente e do corpo viver um início e um meio. Relutamos diante de qualquer fim. Somos imagéticos. Sem imagens, sem olhar e até tocar não acreditamos totalmente. Não importa o quanto a razão conteste, a voz proteste... No fundo não queremos acreditar. Somos hipócritas sim. Temos uma motivação quase biológica de entender tudo e todos. Pior é quando julgarmos sermos mesmo capazes... Acredito ser forte quem fala o sentimento, do sentimento, expõe o pensamento. Desconfio de superexposição, autoafirmação e de quem não chora ou nega chorar.

Eu choro. Em filmes, em surpresas, quando me envolvo e sou contraditório quando rio e choro ao lembrar do meu pai... São praticamente todas boas as lembranças, até a última inesquecível, inevitável, dramática e poética. Por mais explicável... Esta ausência é um vazio insuperável, incurável. Não se acostuma com a naturalidade da morte. Tudo bem. Isso é natural. Então, chore comigo e pare de fingir ser forte aquele a não chorar, a não sofrer... Deixe a pressão vazar. Esvazie, alivie, permita o rolar das lágrimas. A tensão vai, a mente clareia e os músculos relaxam. Assim como precisamos sorrir, há a necessidade de chorar. Então chore comigo um pouco (ou muito) e pare de se preocupar.


Esqueça esta robotização, estas excentricidades nos alimentando no cotidiano. Estas manias da sociedade de medir e pesar tudo no coletivo. Somos indivíduos conscientes por mais nocauteados... Ouça seu corpo antes de pensar. Fique em silêncio antes de falar. Sorria antes de emburrar. Não engula o choro... Descubra-se aos poucos e utilize a própria receita para a vida. Afinal ela é sua. Ao mesmo tempo há muitos como você e ninguém. Sabemos como ninguém da inutilidade das comparações. Bom mesmo é usar bons exemplos como inspiração. Aí respirar fundo e tentar. Uma tentativa de cada vez. Então podemos esvaziar e relaxar sem cobranças.

4 comentários:

Anônimo disse...

Reflexões sensíveis que só entende quem já passou(a) pela dor da perda, mesmo porque ela é assim, companheira que passa a fazer parte dos dias de quem se sente um pouco órfão ou capenga na ausência surda que grita em nossos dias.
Respire fundo, Belo. Somente um dia de cada vez. Só um. Onde não cabem palavras, entram os abraços, os sorrisos amigos e uma certeza: a vida continua e o amor é. Seja aqui, seja no Japão, seja onde for. O amor é sempre e feliz é quem tem amor a se recordar. Feliz é quem tem lembrança boa pra resgatar e bons exemplos para honrar. Gde abraço

Anônimo disse...

Reflexões sensíveis que só entende quem já passou(a) pela dor da perda, mesmo porque ela é assim, companheira que passa a fazer parte dos dias de quem se sente um pouco órfão ou capenga na ausência surda que grita em nossos dias.
Respire fundo, Belo. Somente um dia de cada vez. Só um. Onde não cabem palavras, entram os abraços, os sorrisos amigos e uma certeza: a vida continua e o amor é. Seja aqui, seja no Japão, seja onde for. O amor é sempre e feliz é quem tem amor a se recordar. Feliz é quem tem lembrança boa pra resgatar e bons exemplos para honrar. Gde abraço
Fabiana Silvestre

Rafael Belo disse...

Obrigado, Fabi! abraçaço; Volte sempre.

Anônimo disse...

Lembrar...chorar..inevitável...quando vc vai acalmando o coração ,vem alguém...nossa...como...outro dia ele estava correndo....mas o choro faz parte...momentos tristes...momentos felizes......nunca me faço de forte...como vc tb choro em casamentos...filmes..quando vejo um amigo chorando...parabéns. Belo texto. Mamys