segunda-feira, janeiro 04, 2016

Do que são feitas as asas das borboletas?


Os passarinhos te observam de longe ariscos e prontos para protegerem as asas. Esta é a liberdade rimando com verdade. Eles esperam você estar a uma distância segura para agirem e enquanto não fizermos parte do lugar, formos mais uma cor na vegetação, seguem da mesma forma. É natural. Quando estamos sós não nos sentimos mais livres? Ao tirarmos as restrições, cobranças, o inútil sentimento de posse e estarmos bem com quem somos nos sentiremos com quem amamos também.

Somos condicionados a sempre colocar e não tirar. Ao menos não tirar de verdade... Tirar aquela imensidão de roupas que passam meses esquecidas em algum canto do guarda-roupa e alegamos afeição por elas, tirar aquele alimento que nos faz mal e o acusamos de ser gostoso, retirar aquela palavra que ofende e insistimos não ter outro jeito, além de outros detalhes responsáveis pela vida... Para tanto precisamos limpar a poeira do músculo responsável pelos músculos: o cérebro.

Pensar e esvaziar a mente são dois atos humanos a nos humanizar quase na mesma medida de um sincero sorriso e daquela chuva necessária depois de um longo período de seca. A liberdade obtida ao compreender estas necessidades do corpo, da alma, do coração e da mente é o caminho para tirarmos as correntes que colocamos nos nossos pulsos e tornozelos. Mas quando soubermos do que são feitas as nossas asas nada nos prenderá porque uma mente limpa e consciente voa.


Nossas asas são forjadas de finas camadas responsáveis por nossas cores, proteção, pela ação da corrente de ar, nosso aquecimento e espalhar de calor. Assim, desengaiolados como a esperança solta neste 2016, podemos ser sinônimos do cheiro dos ventos dos morros, o frescor da mata selvagem, a invasão das flores e, portanto, das borboletas dos mais variados tamanhos, formas e cores com a possibilidade de registrar todos estes momentos e espalhar as sementes, os aromas e um pouco de nós, frágeis, resistentes e flexíveis, por isso somos mais borboletas que pássaros.

Um comentário:

Maria Belo disse...

Lindo texto!...podemos ser sinônimos do cheiro dos ventos...! Perfeito.