quinta-feira, março 23, 2017

Regando o éter



abraçam-se as pétalas das brancas rosas novas mais uma vez
reis entregam as coroas para as rainhas floridas envolvidas com a vida da desfaçatez
tez contando as marcas expressas no rosto exposto na galeria do dia
via de mão dupla invertendo a contramão ao avesso do sentido de união


preenchem-se os vãos com abraços sinceros sorrindo evoluindo as flores se entregam
regam o éter com a Alma fluindo atraindo o bem o bom magnéticas
poética forma contendo a libertação cibernética na genética das estrelas do humano divino
destino menino de tantos séculos nos dando crédito de o domar demoradamente de mansinho
passarinho toca o violino sem mexer o bico quando rompemos o comportamento bovino
pastamos um ruminante instante até ele ser eternidade engolida na Palavra investida Verbo para nos enlaçar na declamação em ação.

+às 10h10, Rafael Belo, quinta-feira, 23 de março de 2017+

Um comentário:

Maria Belo disse...

."....passarinho toca o violino..." que lindo!