sexta-feira, março 24, 2017

Vou lá (miniconto)


 
 
por Rafael Belo

“Envolve o plano com o fundo e o desejo é se entender...” Há quantos anos esta frase anônima está pichada na parede da frente de casa? Qual o motivo de nunca terem pintado por cima? Até parece! Não vou fazer isso mais uma preocupação inútil... Mas, aquele contorno no final é a assinatura do anônimo. Só hoje entendi, é a silhueta de uma borboleta. Ainda não sei o significado... Às vezes, nem existe... Uma borboleta está sempre envolvida com algo, principalmente ela mesma... Além da beleza natural...

Naturalmente, eu me separo de mim. Fico assim como todo mundo: perdida, carente... Agora fico imaginando o quão mal me relaciono comigo, o quanto abusei de mim sem me permitir ser... Meus planos nunca foram meus e meus desejos nem sei quais são de verdade... Fico pensando sobre a quantidade de desejos direcionados a Deus e o número incontável de pessoas afirmando com intensidade merecerem... Rá! Este tal de “EU MEREÇO”... Eu mereço, viu! Devo ter ficado pronta só hoje para enxergar de verdade nestas palavras ali de aviso! Agora elas me causam um impacto... Apenas neste exato instante elas realmente mexem comigo!

Choro, sim! E daí?! Sempre achei me envolver totalmente por aí e não era nada assim porque se começa com achei... Já está tudo perdido! Cara! É tão fácil ser cega e seguir batendo, trombando, apanhando e justificando como se não merecêssemos o melhor, como se não houvesse pessoas capazes de sempre melhorar por aí, mas queremos consertar quem não quer conserto, conquistar quem só quer conquistas, prender quem só quer liberdade e... Envolver-se é se libertar, se libertar é Amar e... É isso! Amar é se envolver antes de tudo com cada defeito próprio e não se envergonhar!

Quem diria... Realmente está nos detalhes ou... Em uma frase! Seria a mesma coisa mexendo com a gente, nos cutucando, puxando aquele sentido para o qual nos fazemos surdo e eu aqui, disposta a me ouvir, a me tocar, a me enxergar...! É Bélia, faz sentido todo o despojamento dele, a paciência, a alegria e eu querendo um reflexo de mim. Eu me sirvo assim e nem preciso de espelho para me ver mais. Quanta satisfação não cabe em mim mais. Eu me amo e me aceito, menos nos meus três dias de ápice menstrual e isso não é problema nenhum. Será possível recuperar o celular dele sem ter de pedir novamente... Ah, que se f...! Vou lá na casa dele!

Um comentário:

Maria Belo disse...

Verdade....nem preciso de espelho pra me olhar!