sábado, julho 04, 2009

Há você

(foto que tirei da janela de um apê que morei)

Saiam sons indiscriminadamente daquele corpo exposto na noite apagada
Onde ninguém enxergava a água
Caída de outros corpos também de ninguém
Criando um rio parado do outro lado do fardo
De se deixar levar

Pela correnteza de pensamentos
Levados pelos sentimentos
A desaguar
Em um distante lugar
Tão perto
Chamado lembrança

No deserto de lágrimas
Caladas invisíveis
Saído de um rosto impávido
De falso brilho
Há você
Um ser de lembranças

17h30 – 02 de julho de 2009 – Rafael Belo (Folha de Outono)

2 comentários:

Keila Teixeira disse...

Lindo, perfeitoo Rafaaa...ameeeeei!

Rafael Belo disse...

Brigaduu Kei!