quarta-feira, novembro 14, 2018

Comida vencida (miniconto)





por Rafael Belo

Eu vejo os contratos pegando fogo mas não os identifico. Será que existe alguma cópia ou queimei tudo com os computadores? Ninguém guarda coisas legais né? Preciso queimar as ilegais também… Não! Melhor expor! Meu celular… Aqui… Hummmm. Interessante. Sistema sem defesas de verdade. Pronto. Olha quanta gente envolvida. Ok. Backup… Sim… onde está o mailing… Pronto! Todos os editores. Vamos chamar de…? Vou consultar alguém da federal sempre tem nomes bons…

Por enquanto vai ser Comida Vencida. Ah, deixa eu instalar espiões aqui e aqui e em todos e apagar os rastros e vou hackear e crackear e olha! Todas as indústrias alimentícias. Sabe, esta é a vigésima invasão que faço como se fosse a dona. Estão me chamando de Chave Mestre kkkkk. Será que ninguém vai ter coragem de publicar o material? Eles nem entraram em contato com os envolvidos e como sou burra! Estão envolvidos. Claro. Em um país que vive de boi, vacas, frango, peixe, soja e transgênicos… Falta coragem!

Só falam de como sou perigosa… Aliás, perigoso. Ninguém admite que uma mulher faria algo assim. Tô de saco cheio de machistas misóginos e tudo mais. Estas indústrias são como os políticos: tudo assassino em série. Bando de serial killers e dizem que eu sou radical. Seu #*... É tanto agrotóxicos e depois aditivos químicos que o número crescente de autismo vem daí. O aumento de capital? Daí… A má-formação congênita, adivinha. E a quantidade de  distúrbios endócrinos, neurológicos e mentais? Fora a ansiedade e depressão…

Esvaziam nossa mente, fazem a política parecer só uma campanha de poucos meses e depois tudo volta a alienação normal ou seria programação? Então, nos envenenam com ódio e ambição? Não! Com os nossos alimentos diários. O preço da carne, do frango, do peixe, do ovo está o quê? Um absurdo e nem falam das alternativas. Meu Deus! Alimento deveria substituir medicação, mas é ao contrário. Temos que pagar também pela indústria farmacêutica, alimentícia e pela vida destes políticos profissionais. Nós faliram profissionalmente, agora são nossos órgãos que vão falir porque no final todos morrem de falência múltipla dos órgãos. Vou ter que derrubar tudo sozinha. Quem sabem quantos estão envolvidos?! Vamos acabar com reparações e redirecionar este dinheiro sujo. Qual é a próxima da lista? JBS já caiu! Agora é...

terça-feira, novembro 13, 2018

adulterados





o alimento grita escalda
sem nutrientes apenas vácuo
um vazio fato estrala a fome
nestes de repentes onde somos nada

estamos caças selvagens em um cercado
sem adubo impermeáveis
acelerando em uma gula forjada

vamos coisa alguma em sustento
mais agrotóxicos a alimento

e o orgânico apodrece ao ar livre enquanto nos prendemos a nossa destruição.
+às 01h52, Rafael Belo, terça-feira, 13 de novembro de 2018, Campo Grande, MS+

segunda-feira, novembro 12, 2018

Morremos pela boca






por Rafael Belo

Vocês já se sentiram Os Miseráveis do Vitor Hugo? Não só o abismo social e o capitalismo selvagem vivido por nós junto a miséria, mas a fome e as doenças. Há teorias culpando os venenos usados nos nossos alimentos pelas doenças novas, pelas alterações do nosso sistema, pelo autismo, enfim. Eu acredito no equilíbrio do corpo e da mente. Não adianta nada evoluir a mente e nada fazer pelo corpo e vice-versa. São coisas naturais ao seu tempo e seja lá o que acelere isso, não é natural. Há consequências para nossos atos sejam espirituais, humanas, físicas ou psicológicas. Somos o que comemos?

Às vezes as maçãs que como não tem gosto, são pura água... Foram aceleradas para amadurecerem e parecerem belas e sadias fora os agrotóxicos utilizados. Eu procuro alimentos orgânicos, pequenos produtores porque por muito tempo alimento era sinônimo de saúde. Hoje é uma forma para emagrecer, para melhorar o desempenho para prazer e culpa...  A monocultura, esta falsa variedade, os produtos de prateleira com preços abusivos e elevando ainda mais o preço dos produtos naturais, ajudam a nos adoecer.

Com que frequência você se automedica, se medica? Quantas vezes você ficou doente este mês? O que você come? Sabe de onde vem seu alimento? Você respeita seu corpo? Somos resultados do que aceitamos, do que não fazemos e do que fazemos. Se algo é gostoso, mas não faz bem por que comemos? Não há nada que nos faça bem e seja gostoso? Se comêssemos algo gostoso e ainda saudável nosso corpo seria melhor e nossa mente também.

Eu sei. Nós temos pressa. Mal temos tempo para comer. Contamos as gramas da nossa refeição corrida e solitária ou comemos qualquer coisa para enganar a fome... O alimento sempre foi celebrado e motivo para reunir família e amigos. Ainda acontece, mas por que o cardápio é tão limitado? É carne, é churrasco, é carne, é bobó de galinha, é estrogonofe é macarronada, é pizza, é feijoada... Algo mais? Tanto sal, tanto açúcar, tantos temperos... Não sabemos mais o real sabor do que comemos e quer saber? Estamos nos matando.

sexta-feira, novembro 09, 2018

Buraco no universo (miniconto)





por Rafael Belo

Meus olhos mudam todo dia e há brilhos muito diferentes... Mas quando a saúde descarrila em uma cidade sem trilhos sou outra pessoa. Soou indiferente tentando manter a sanidade, mas nem meu corpo esta são nestes momentos feitos de tentativas desesperadas de me conectar. A mulher em mim ainda se porta como garota e ninguém entra… Nem mesmo eu conseguia mover minha porta. Quando eu estava na minha realidade paralela eu me certificava de que não era um sonho…

Você sabe! Qualquer coisa mostrando as horas deve estar em movimento e todos próximos do horário correto. Se algum estiver parado definitivamente é um sonho. Mas, não era. Não é. É minha vida! Eu recebo sinais na minha pele… São tatuagens. Elas ficam na minha pele até eu descobrir significado e fazer algo. O desconhecido podia ser mais claro… Quando recebo a tatuagem meu olhos mudam. Parece durar um dia para todos que não são eu. Eu fico exausta e só me recupero em algum hospital. Nunca o mesmo.

Aliás, em qualquer lugar que deveria atender as pessoas adequadamente eu recebo novos olhos, uma nova tatuagem. Imediatamente eu me sinto nua e logo minha pele arrepiada reconhece uma camisola. Sinto no bico dos meus seios o roçar do tecido e aquela liberdade de não ter nada mais… Nada foi triste ou pesado até agora. Eu completo uma ligação residual que foi interrompida de alguma forma antinatural. É aquela sensação de ser tão errado…

A diferença é realmente ser. Foi uma injustiça e eu preciso fazer a conexão continuar e juntar novamente este resíduo com sua dona. É um buraco no universo precisando ser fechado! Com o tempo minha aparência muda e, às vezes, minha memória também. Eu fico perdida por um instante que para você pode parecer anos, décadas ou gerações…  Porém, me encontro instantâneamente, imediatamente quando uma nova tatuagem surge com novos olhos. Meus olhos mudam todo dia!

quinta-feira, novembro 08, 2018

sistema






minha saúde melhora quanto toco em você
minha adolescência volta
do meu estômago brota uma supernova
meu coração vai no ritmo da respiração ofegante

números se vão da visão
sãos os poros da minha pele
estatística incalculável de nós incontáveis

somos o sistema não o avesso
este revirado tentando nos afetar

cura certa criada quando conseguimos ver.
+Rafael Belo, às 00h55, quinta-feira, 08 de novembro de 2018, Campo Grande, MS+

quarta-feira, novembro 07, 2018

a mais insuportável (miniconto)






por Rafael Belo

Retiraram todos no meio da noite. Como nao percebi? Como isso é possível? Estou algemada… Mas eu só reagi! Pegaram meu celular, mas eu já tinha mandado tudo para a nuvem… Só queria saber quem desligou as câmeras, por que não tem o ponto digital e onde estão os médicos? Minha saúde mental está cheia de mordaças e ainda embutiram os choques para chocar ainda mais a gente… Só entendem de agressão e enfrentamento. Tudo acaba em sequelas e morte… Tudo!

Só digo que aqui a humanidade faliu de novo. Só restou dor e indignação. O resto todo é fakenews. Sumiram com todos os doentes… Aqui era onde ainda tinham alguns e uma fila… Estou chocada e infame neste leito. Devo estar com dosagem alta de alguma coisa pra falar assim como se isso fosse alguma novidade. Mas deve estar passando. Sinto todas as minhas dores voltando e batendo na minha sanidade. Ouço minha loucura rir e o descontrole se aproveitar desta insanidade.

Sem heróis nem vilões. Só sobrevivência sincera e isto vai me levar as barreiras. Minha resistência vai me abandonar sem eu perceber. Neste lugar já tenho uma coleção de números, sou um novo dado para as estatísticas, mas serei manipulada? Algum médico vai me tocar ou já tocou? Foi a enfermeira que me medicou… Onde está ela? Que horas são? Preciso da minha saúde… Sem ela nem a dignidade serve para alguma coisa…! Está tudo tão silencioso que eu me arrepio como se a morte me tocasse...

Dói demais dobrar a dor. E mesmo tão dopada ela ainda coça como um assédio nojento no ônibus, lateja como um beijo forçado no rolê e queima como um rodada de tequila para esquecer… Há quanto tempo estou aqui. Não há nenhuma identificação. Eu só quero ficar boa, nem preciso saber o que eu tenho, só me faça sarar… Ei! Que demônio! Eu estou desaparecendo…!!!! Poderia ser ao menos de uma vez ou no mínimo sequer doer, mas esta dor é a mais insuportável!

terça-feira, novembro 06, 2018

sua sabotagem







um chamego acaricia o afeto
o ego alheio incha em um roteiro extraviado
não há rostos só incontáveis zeros e uns
a partir da perspectiva de quem somos em outros

olhos de um show no terraço
na terapia intensiva móvel
sem sequer um ser para atender

nossos números naturais se misturam
senhas se perdem digitais borram

saboto seu sistema até nossa saúde falir.
+Rafael Belo, às 00h08, terça-feira, 06 de novembro de 2018, Campo Grande, MS+

segunda-feira, novembro 05, 2018

Mais números




por Rafael Belo

Somos números esperando o atendimento do Sistema Único de Saúde. Filas imensas de pessoas doentes precisando fazer a manutenção da saúde para continuar a se espremer nas engrenagens desta vida mecânica diária. Mesmo quando não há filas evidentes há a espera. Só espera sem saber porque sem quaisquer informações sobre o que acontece, quais e quantos médicos estão ali. Uma ajuda para a morte vir mais depressa.

Sem alerta definido. Uma doença qualquer pode levar a vida enquanto a gente só espera. Ainda aguenta o acúmulo do cúmulo da raiva de um funcionário público guardando patrimônio. Como a mulher filmando a espera e o descaso quando o alterado guarda patrimonial disparou a arma de choque. A mulher só gritava socorro e, foi atendida em seguida para retirar os grampos do choque. Estamos paralisados.

Diria chocados com a repetição de casos assim, mas infelizmente a expressão é de cansaço e tédio. Desta forma acaba aumentando a automedicação ou as consultas clandestinas que muito tem por aqui e por toda parte. Enfim, só a espera e o ambiente doentio agrava qualquer doença a se descobrir depois de horas de espera. Quando o local de atendimento é para toda uma região já distante do Centro da cidade poucos médicos ou apenas um se dispõe a trabalhar, mas e se for segunda-feira?

Com a semana começando desse jeito haja ânimo para se recuperar. Se a consulta ainda for relâmpago sem sequer um toque no paciente… O próximo já está lá. Fora quando o profissional depois desacredita o paciente e o acusa de fingir depois de horas de espera... Quantas podem desistir de atendimento quando se trata de saúde? Sem saúde o que podemos fazer? É triste o cotidiano de quem sofre de algum mal e é apenas mais um número na estatística, outra comparação na tabela, mais uma fria parte substituível do sistema e tudo isso acaba se tratando de dinheiro ou poder. Qual o seu número?

sexta-feira, novembro 02, 2018

Não era nada (miniconto)






por Rafael Belo
Sabe foi bem aqui que… Desculpe a emoção. Esqueça a desculpa. Se puderem esperar um pouco. Uma respiração profunda deve ser o suficiente. Neste lugar… Este lugar era o lugar dela. Ainda sinto o cheiro da minha vó aqui. Como assim de sangue? Verdade! Todos são estéreis hoje. Somos feitos de junções genética. Fabricados… Enfim, eu não vou dizer que sou natural. Não mais! Mas sim, eu sou uma Gerada. A última. Diferente das Irmandades e Fraternidades atuais, eu sou da falida Família.

Posso falar sem medo porque eu fui uma das geneticistas responsável por criar o neurônio do esquecimento e inserir os algoritmos das palavras chaves. Família vai durar na sua memória no máximo até eu terminar de falar sobre o assunto… Então, depois da Era da Tecnologia e da Era da Inovação tivemos um ciclo de escuridão. Parece padrão na nossa história… História? Você que saber o que é história? Esqueceu o assunto que estava perguntando… Não era nada. Vamos seguir.

Loucura. A Era da Loucura terminou a poucos ciclos. Creio ser exatamente dez anos antes de você nascer. Você acaba de chegar a vida adulta. Tem 16 anos. Agora só desenvolverá até o auge da tua genética e vai estacionar tua aparência ali no que seria natural. Estou confusa. Estes borrões artificiais desta Era Genética me dispersam e já não sei mais diferenciar artificial, virtual e real. Tudo embutido em nós. Quase se chegou a imaginar isso e agora só precisamos insistir no pensamento e já estamos com as respostas… As pessoas achavam que era conectadas.

Você já se esqueceu. A minha avó… Vó? Você não sabe mais sobre o que eu estou falando né? Eu tive uma… Uma… Irmandade… Fraternidade… Uma junção disso perfeita. Cheia de brigas, confusões, saídas dos grupos de WhatsApp, drama, drama e mais drama. Mas, todos se amavam. Oi? Não sou eu quem vai te aplicar a dose de Amor diária. E...? Já não me vê mais. Foi uma ótima ideia ampliar o esquecimento para a mistura ocular que faz meus padrões de energia inexistirem para quem insiste em naturalidade e Família. Eu não existo, mas esta inexistência é este vazio palpável não só nos Adaptados, mas no mundo.

quinta-feira, novembro 01, 2018

partidos






tenho várias contradições em mim
então decidi ser ilimitado
não há barreiras para chegar
às vezes o único sentido é concentrar

esquecer tato textura telas os olhares
deslembrar sabor gosto o salivar
em imemorial aroma perfume cheiro no pescoço

silenciar melodias canções as vozes
neste dessentido perder os filtros

ignorar os tamanhos e gêneros porque semelhanças e diferenças são a partir de nós mesmos
partidos.

+às 22h15, Rafael Belo, 31 de outubro de 2018, terça-feira, Campo Grande, MS+

quarta-feira, outubro 31, 2018

Logo você (miniconto)






por Rafael Belo
Há quanto tempo não nos falamos? Há tanto capaz de nos fazer esquecer o motivo... Somos tão nocivos quando queremos, né?! Chamamos ainda de família. Aqui o único apoio é quando encontramos a testa no azulejo do banheiro para chorar. Eu pago meu terapeuta para quê? Óbvio! Tortura moderna. Enfrentar quem não se enfrentam. Mera característica familiar. Aeee! Viva! Esta é minha família. Já ouço o já esperava algo assim. Tudo disfuncional. T viado, tem sapatão, tem feminista, tem machista e os piores: artistas.

Tem também… Nossa, não tem televisão, não?! Não! Nem internet!! Será que seríamos bons assassinos pelo menos? Você todos são cúmplices do assassinato da minha coragem, da minha adolescência, da minha infância… Não está na ordem errada? Não! Do meu coração e, encurtando, da minha alma. Portanto, assassinos! Por isso eu saio por aí matando sentimentos e alegando legítima defesa. Já pensou em sequestrar? Não dá certo. Precisa alimentá-los e…

Você sabem! Aliás, não sabem! Nunca me ensinaram a alimentar nada. Então, morreram todos. Eu cresci sem nenhum. Sou imune. Bem, graças a vocês! Obrigado família! Sabe, eu não me sinto nada melhor com isso. Este terapeuta é um farsante. Totalmente fake. O psicólogo comum não resolveu, Rivotril não resolveu. Prozac foi doce… Talvez fosse até placebo… Enfim, estão todos me ouvindo? Você arruinaram minha vida. Não bebi nada deste whisky sei lá a raridade da década dele porque sabia que ia precisar dele depois de falar, não antes…

Eu não vou me matar. Só vou beber até cair agora. Saiam agora. Não vou usar a arma. Tenho porte, pagando à prestação e… Ah, agora querem saber da minha vida?! Saiam logo. Quero ver como é ficar sozinho no lugar onde eu deveria me sentir bem e protegido, não este, este, este… LIXO! Eu preciso acreditar que a família não faliu e nunca teve um só formato. Mas, eu surto toda vez que tento construir uma relação e… Agora entendi este sentimento! Eu não sei o que é uma relação. Você serviram para algo. Uma revelação. Olha! Estamos nos falando agora e… MÃE! Logo você chamou a polícia?! Acha que alguém vai sobreviver? Somos minoria…

terça-feira, outubro 30, 2018

caber






as diferenças procuram a semelhança
disfarçam distâncias para controlar
complicam o simples em nós mentais
confundem menos e mais
em um tropeçar que uso como equilíbrio

maior e menor dessignificam
o silêncio não é mais o mesmo
e o mesmo ressignifica a desconversa
em um negar constante do outro

a si mesmo a transformação do troco em milhão
uma valorização descabida

mas também onde cabemos neste mundo que criamos?

+às 13h08, Rafael Belo, 30 de outubro de 2018, terça-feira, Campo Grande MS+

segunda-feira, outubro 29, 2018

Sobre nossa carência





por Rafael Belo
Parece um constante déjà vu voltar para casa. Não falo de lugar. De tijolos, pedras, cimento. Falo de sentimentos e conexões. Você chega e sabe como a família de sangue ou escolhida vai ser comportar com tua presença. Você conhece aquelas pessoas, sabe do comportamento delas e você as ama. Provavelmente, o amor mais natural e espontâneo. Realmente é incondicional porque você discorda de muitas coisas ou de tudo. Você briga, fala, emburra, mas no fim - quando chega mesmo - vocês sorriem juntos e começam a lembrar.

Lembram de momentos e riem. Passam constrangimentos e você se renova com este passado vivo que te ama. Com este vínculo incondicional latente com a gente. Faz parte das nossas origens. Há uma pureza fenomenal e cativante nisso. Outros vínculos feitos a partir daí estão lá te acompanhando sem interferir, mas torcendo por ti. Fazem parte de você de alguma forma ou de várias formas. O sentimento deste círculo criado traz até paz. Nós somos mais do que imaginamos.

Podemos mais que os limites que impomos. E não, não estamos sós. Esta energia feita de seres humanos nos renova. É a prova que podemos mais. Sinto-me assim ao visitar minha família de sangue, minha família de laços e da vida. Aqueles que amo e os que estou aprendendo a amar. Há muitas raridades na minha vida e eu não quero guardar nada a não ser memórias, histórias e estas energias. Estamos livres por nos encontrar, por acreditar uns nos outros.

As tormentas, os tormentos estão inevitavelmente no caminho e podemos transformá-los para seguirmos mais fortes. Não sei quando vamos entender que a Humanidade é um reflexo da nossa família. Ela tem semelhanças físicas ou comportamentais e é diferente já a partir dali, do berço. A convivência e a bagagem que carregamos desde esse núcleo inicial tem esta base. Não deveria ensinar tolerância muito menos intolerância, mas este diferente existente para somar porque não importa quantas diferenças a gente tenha somos carentes de afeto e aceitação.

sexta-feira, outubro 26, 2018

Naturalmente (miniconto)





por Rafael Belo

Naturalmente renasci contigo. Quando todas as barreiras caíram. Todas as diferenças se foram e os indivíduos voltaram a ser eles mesmos. Mas até chegarmos aqui quase desistimos de nós mesmos e de tudo. Um mundo de muros que enfim desabou. O Amor nos salvou… Demoramos a acreditar. Esta liberdade sempre foi da boca para fora, quando chegávamos em casa silenciávamos e chorávamos sozinhos. Renascidos nada nos afeta mais. É. Isso sim é natural.

Estavam se partindo, se separando, se matando, se isolando e cada um em seu mundo. Diziam ser natural… É como reagem quando nos veem. A gente sorri e sobrevive a se importar só com o que queremos. Naturalmente, somos puros e o Amor venceria se descoberto. Mas, jogaram tantas camadas de ódio e de dor não permitindo enxergarmos nossas reais possibilidades. O natural era o antinatural e o antinatural era natural, mas quem fez as regras?

Natural é viver e deixar viver. Não é este nosso lema? Eles vieram atrás de nós. Não tinham nossa força. Temiam que fossêmos maus-exemplos e a liberdade fosse espalhada porque nossa liberdade entrava em conflito com a deles. Não tenho uma explicação lógica para o que aconteceu. Estamos vivos e todo mundo desde então você também. Algo falava de nós há um tempo questionável de existência. Na época me chamavam de Is e você de Tris.

Era natural as famílias decidirem nossos destinos. Quem hoje aceita que decidam por si mesmos? Nós pretendíamos nossa paz e nada mais. Nós chamaram pais das revoluções. Talvez despertadores… Mas sem nenhuma intenção. A verdade é que todos queriam se libertar. A raiva havia passado e todas as segregações ficaram no passado. Naturalmente, o Amor estava lá habitável esperando seus habitantes voltarem. Nós fomos os primeiros. Renascidos vendo um mundo novo renascer.

quinta-feira, outubro 25, 2018

querendo





eu estendo a mão
abraço cumprimento
diminuo o comprimento
alimento-me de sorrisos

acendi a escuridão
a luz me domina
em uma incrível liberdade

sou rural urbano união
toco o agora no ritmo emocionado

não há fronteiras aos olhos marejados querendo vida.

+às 10h53, Rafael Belo, quinta-feira, Campo Grande, 25 de outubro de 2018+

quarta-feira, outubro 24, 2018

mercenário (miniconto)



por Rafael Belo

Não acho natural esta chuva. Não vejo naturalidade no sol nascer diariamente. Naturalmente esta natureza esta toda errada. Onde já se viu tanta diferença enquanro queremos tudo igual. Poderíamos ser um forma de vida inteligente, mas ao diabo com a inteligência, não é a força bruta que sempre vence? Ouvi dizer que na verdade era adaptação … Saia do armário, mermão. Adaptação é o caro*”#-@! Você que não mate não para ver se não morre! Vou engravatado, todo disfarçado de bom moço para o meu gabinete em Brasília, só para cobrar a radicalização. Acabar com esta palhaçada Brasil!

Que terra boa de gente gentil, nada. Tudo falso, tio. Sabe qual é deste monte de diplomas nas minhas costas? É o disfarce perfeito. Usar o sistema corrupto para corromper já que não dá pra escancarar de vez. Isso que a gente vê na tevê não é nada. Eu e mais uns mil mercenários. Estamos acabando com a doença terminal do Brasil, o povo. Estamos infiltrados e já que estamos com carta branca pra matar, mataremos. Vamos deixar só quem pensa igual a nós e tem a mesma raça.

Vamos odiar com prazer. Chega de nos reprimir. Esta ponta do iceberg nem chega próximo do que somos. Coitados de vocês. Cheios de mimimis, exaltando o coitadismo… Contagem regressiva para um novo fim. Eu ando rindo e dizendo o que penso com muito apoio. Agradeço muito. Meu trabalho aumentou consideravelmente. Estou feliz com tanta violência. Amo a violência pra você nuca seriam capazes de matar com o prazer que eu mato. Eu repito: é matar ou morrer, cretinos!

Estão invadindo minha casa. Espera. Desarmaram todas minhas armadilhas, meu telefone não funciona, bloquearam meu celular… Ei! Por favor, não me matem. Não e natural tirar a vida assim, mesmo com justificativa. Temos leis. Temos todo um processo para seguir. Sou inocente! Nunca matei ninguém. Oi? Mercenário? Profissional da morte? É fakenews!!!! O que vocês fizeram com minha família?! Eu estou sentindo o cheiro de pólvora… Este vídeo é ao vivo mesmo?! Eu não vou tirar minha vida, ela é sagrada e… Vocês atiraram em mim?!! NÃO!!! Seus…

terça-feira, outubro 23, 2018

domesticados







naturalmente eu vejo cabeças explodirem
peles arrancadas à unha
aplausos ensurdecedores do delírio
a loucura coletiva está solta


a foice da morte está em todas as mãos
sangue no chão derramado
mentes atormentadas corpos assombrados


a idade das trevas tiro os vermes
dos buracos feitos à bala


nossa escuridão nos domesticou outra vez.
+às 22h35, Rafael Belo, terça-feira, Campo Grande, 23 de outubro de 2018+

segunda-feira, outubro 22, 2018

Foi assim mesmo que aprendemos






por Rafael Belo

Como se questiona a Natureza. Melhor. Questiona-se o ser natural. Mas eu sempre me pergunto sobre a naturalidade das coisas e vejo nossos reflexos nos animais mesmo estes não tendo toda nossa capacidade intelectual - eu disse capacidade… Eles não estão corrompidos pela visão encaixotada de que qualquer coisa fugindo da visão individual do mundo deixa de ser normal. Estas anomalias humanas nem sempre são tendenciosas, mas não deixam de ser endêmicas. É como se o trouxismo viesse direto do Harry Potter e revelasse a possibilidade da magia e mesmo assim negassêmos. O que é natural?

Não entendo o motivo do diferente incomodar. Aquilo e aquele não igual precisar ser taxado e tachado… Não somos capazes de nos educar, de educar nossos filhos e atacamos conscientes uns aos outros. Distorcemos o natural já houve época na qual o negro por causa da pele era acusado de não ter alma, de não ser humano, uma mão-de-obra considerada animal e hoje ainda há e parece despertar ainda mais. A escravidão na antiguidade não era por pele, era por nação derrotada… Vemos neste momento muitos desprovidos de tudo morrerem para poucos providos de tudo viverem. Aí vamos dizer que é natural…

É natural como a luz do dia viver de exclusão e de aparência? É normal a corrupção? A corrupção da alma é profunda… É normal os valores serem seletivos e dar importância apenas as vidas convenientes? Não somos pequenos deuses, somos grandes demônios atormentando o próximo. Não há tolerância. Não há aceitar ou inaceitável. Há cuidar da própria vida e ajudar um ser humano necessitado. Somos tão pobres e cada vez mais estamos ficando empobrecidos e vazios.

Você não sente a solidão nos entorpecendo brutalmente quando tentamos pensar sobre o que fizemos de bom no dia ou como podemos melhorar as coisas? Nada brusco, extremo e radical funcionou na história deste planeta, no entanto, naturalmente estamos repetindo e repercutindo nossas conveniências, nossas frustrações e esta crise de identidade infinita que o mundo vive. É natural viver de interesses, por interesses, com interesses e desrespeitando quaisquer coisas e pessoas no caminho… Foi assim mesmo que aprendemos…  Seguimos vendendo nossas almas, mas não ao clássico diabo, mas ao que há de pior em nós.

sexta-feira, outubro 19, 2018

Pertencimento e Liberdade (miniconto)





por Rafael Belo

Eu respiro. Você respira. Eu e você respiramos. Nos respiramos juntos. A gente se sente. Estamos em sincronia. O sentimento não mente e nos flutua neste oceano diário de desafios. Sem nós, mas com a gente escolhendo desenvolver o sentimento, viver cada momento neste instante que se esvai no corpo, mas fica dentro de nós. Fica no coração, se espalha na alma em um abraço espiritual. Fica tão bem… Na escolha no ganho seja lá o que acontecer. Palpável neste não ver.

Gentil e firme. Sem sermos só coração, sem sermos só mente, sem sermos só palavras e algo em nós permanece. O melhor de nós floresce e se oferece sem custo algum. Não há cobrança. É uma escolha… Ah, sim. Sou o Sentimento de volta. Desculpe a indelicadeza é que sou quem sou e não significa sentimental, sou direto e reajo. Eu pedi desculpas? Não. Esqueça! Como pedir desculpas de sentir?! Como pedir desculpas de ser eu?! Eu pareço confuso, mas vá lá… O meu significado vem da sua vivência.

Nós somos indivíduos. Cada ser é único e indivisível. Mas eu dou a sensação da capacidade de sermos mas de um porque eu sou muitos. Eu sou todos. Eu marco. Sou um marco, mas sempre associado a algo junto ao alguém.  Sou inesquecível, mas me transformo. Sou água. Não sou uma escolha, porém cada um escolhe como agir comigo. Uma parte de mim, a Dor, acaba sendo empecilho para o todo meu sem fim, o Amor. Não sou feito para entender o motivo de tanto zelo e exaltação da Dor.

Toque em mim e me deixe te tocar. Eu sou o colorido da vida e só posso nascer dentro de você. Peço não me prender porque não adianta. Eu reajo de outras formas no corpo. Eu solidifico, mas há quem saiba me liquefazer, me deixar acontecer e ser este agora tão lindo construindo os instantes prontos para serem inesquecíveis. Use esta parte mais comum em mim, o Medo, como impulso e os flashes da Felicidade poderão significar eternidade. Eu respiro profundo, você respira fundo e somos Pertencimento e Liberdade!

quinta-feira, outubro 18, 2018

algo bom






meu peito estufa
salta de mim como todo
o que senti se expressa
não guardo nada mais

o sentimento me domina livre
assim ganho o imaterial
desde então não perco jamais

penso e falo em silêncio
sem medo de machucar

é verão autêntico o desejo é primavera latente quem somos e neste outono necessário de recomeços até o inverno aquece quando a gente transforma o inesquecível em algo bom.

+às 09h20, Rafael Belo, quinta-feira, Campo Grande, 18 de outubro de 2018+

quarta-feira, outubro 17, 2018

sentimentais funcionais (miniconto)






por Rafael Belo

Eu nem sei quais foram as palavras nem as ações. Ah, eu sei sim. Não vou mentir. Vou além de saber… Eu sinto profundamente. Não esqueço. Como esquecer de mim mesmo? Bom, já aconteceu uma, duas, muitas vezes, mas não é o caso agora. Desde quando eu me dei por mim viva, tudo mudou. Todos falam de mim como se eu fosse fácil para ir e vir… Quando se dão conta, eu fico e elas negam. Você também faz isso, não negue uma terceira vez assim bem na minha cara!

Não diga passou, não foi nada, nem deu tempo… Eu lá sou dado ao tempo! Eu passo do meu próprio jeito. Ah, me desculpem a vocês ainda sem saber quem sou. Eu sou Sentimento. Voltem aqui. Não me deem as costas. Ei! Não tentem me esconder! Isso faz mal pra ti, não pra mim! Aí, aí aí… Voltem. Vocês sabem do pior, virá. Olhe nos meus olhos e vamos. Eu posso até passar uma hora, mas jamais te deixarei. Aliás, eu até me transformo em outro de mim.

Estou carente hoje… Ok! Sempre! Estou sempre carente. Não garanto, mas quem sabe se você me cativar eu te conte meus segredos. Como faz isso? Meu! Vocês são sentimentais funcionais? Não sabem tratar ninguém como gostariam de ser tratados? E todas estas descrições onde me encontrar envolvem no Tinder e no Happn…? Vão me ignorar agora? De novo? Você não aprendem mesmo, não é? Talvez eu só diga algo sobre mim, bem mínimo afim de não comprometer seu desenvolvimento …

Olha. Preparados. Vão anotar? Oi? Não, minhas palavras não podem ser registradas literalmente, mas eu sou registrado de muitas formas... Luz e sombra estão sempre envolvidos. Quem sabe ouvindo de mim vocês compreendam… No entanto, terão de fazer o seguinte: repetir. Sim, repetir palavra por palavra as minhas palavras. Não se trata de mim no outro somente ou tão quanto eu em vocês, é uma soma dos dois, mas além de tudo é puramente eu sem enfeites nem enrolação. Por que choram? Vou voltar para meu lugar. Vocês estão sem condições de me repetir. Veja como sou sincero.

terça-feira, outubro 16, 2018

oferecendo







não se pode esquecer sentimentos
eles envolvem toda a atmosfera carregada por nós
e ao invés de desatar apertamos os nós
tão fortes para outra dor disfarçar

vêm as palavras vão os feitos
deitamos nas beiras dos rios imaginários
esperando uma gentileza que nem nós temos

estamos esburacados recebendo balas perdidas
línguas ferinas ao invés de lamber as próprias feridas criam novos sangramentos

e não somos nós essas línguas exaltadas espalhando e tomando veneno?

+às 15h36, Rafael Belo, terça-feira, Campo Grande, 16 de outubro de 2018+

segunda-feira, outubro 15, 2018

não somos só coração







por Rafael Belo

A gente perde todos os dias quando poderíamos ganhar diariamente. A gente se deixa dominar pelo pior em nós. Desculpas, perdão não vão resolver para quem foi afetado porque esquecer palavras e feitos é fácil, porém, o que sentimos com isso não. E o sentimento… Ah, o sentimento envolvido com atitudes e palavras é denso, é profundo, esse deixa marcas, por isso, a gentileza é tão comemorada, tão exaltada, mas não no sentido de perder os ânimos, o controle, mas de se destacar diante dos dados atirados.

Jogamos um jogo que não entendemos e vamos ao ataque direto para não precisarmos nos defender depois. A melhor defesa não é o ataque este só causa um contra-ataque e é um ciclo vicioso. Fugi do foco. Cheguei até a gentileza e a deixei passar. Bom… Atenção, carinho e gentileza viram artigos de luxo em um mundo voltado a vitória a qualquer custo nos etiquetando com um luz zumbi da ansiedade da qual nos tornamos dependentes e nos leva o tempo que nos permitia olhar com cuidado e ser gentil.

Aliás, nós nos degladiamos com ele o tempo todo. Ou ele voa ou se arrasta, mas já perceberam que ele passa conforme estamos nos sentindo no momento? Temos que cuidar dos sentimentos. Principalmente, os libertar. Os sentimentos não precisam de gaiolas cantando tristes pela liberdade, mesmo se eles forem dor, raiva… Não os liberte em palavras ou em pessoas. Isto só o alimentará. Os descarregue em alguma atividade física como as artes marciais e converse com alguém sobre eles, mas não os prenda.

Nem os manipule para conseguir algo de alguém. Você perde também. Recuperar tempo e confiança é igual voltar a dormir direito. Depois de tanta insônia, de noites em claro, ansiedade enlouquecida não se retorna. É preciso começar tudo de novo porque o que fazemos sentir e o que sentimos não se esquece. Temos de lidar com isso. Assumir a culpa, receber o perdão não significa nem de longe que algo voltará a ser como antes. Por isso, não somos só coração. Podemos pensar antes de agir e falar.