quinta-feira, julho 16, 2009

Necessidades


(tirei há três anos na Páscoa, voltando pra casa)

Lá se foi o tempo
Engolindo as horas
Faminto feito mendigo
Ignorado por qualquer esmola de vida
Esvaiu-se no corpo com o estômago dolorido

E os olhos sedentos
Secos como todo este abandono de energia na madrugada
Depois do descanso despido, está passado
O amassado domina drástico, os detalhes
Ainda prendendo a noite no noturno
Mesmo com céu indefinido nestas horas vagas

Há ao atrito da insônia
Incomodando a casa

Atento sonâmbulo a intermediar
O preâmbulo perambular astuto
Escorrendo o descanso matuto
Para o não descansar
Acelerado adulto
Precisando sonhar

Folha de Outono (Rafael Belo) 11h22, 11 de julho de 2009.

14 comentários:

☆ Sandra C. disse...

não entendi sobre o que foi exatamente esse poema?!

Casa Pré Fabricada disse...

Há momentos em que o tempo é realmente impiedoso.

Gostei do poema.

Bjs

Rafael Belo disse...

Bom, Sandrinha, sobre as necessidades de dormir e sonhar para realmente despertar. escrevi principalmente porque, há alguns dias, quando "fiz meu twitter" tive um vício momentâneo e instantâneo - porque durou dois dias. E há quem fiqu a madrugada inteira e dias sem dormir conectado. Só... beijos obrigado

Rafael Belo disse...

É tão rápido certos momentos que quando vemos... Obrigado "Casa" bjd

La Sorcière disse...

Olá querido!
De onde vc tira tanta inspiração, todo o santo dia????
A insônia ronda a porta do meu quarto, mas por motivos menos nobres....
Bj

Tathy Panziera disse...

Acho que o tempo é a verdadeira "musa" dos poetas... Belo texto Beloto. A foto é super bacana.

Belle disse...

A correria do dia a dia, dos adultos e essas vidas na noite, levam as pessoas a entrar nesse mundo rápido, meio louco que só percebemos qdo já não há mais tempo!
bjo

Rafael Belo disse...

se tudo pode se inspirar, La, porque não se inspirar em tudo?! Pode ser que tenha uma nobrza se olhado bem de perto... Obrigado, La.
beijos

Rafael Belo disse...

É, Tathyta, ele está em tudo, em nada e logo direi que ele é responsável pela inexistência do dia - mas isso é um outro post ahuah obrigado peloss elogios e visita :Dhehe

Rafael Belo disse...

Quando já não há mais tempo... É Belle, é para isso que devemos nos atentar. beijos obrigadoo

Isolda Herculano disse...

‘Acelerado adulto precisando sonhar’. Gostei muito disso. Para cada porre de vida real, às vezes, não se toma nem uma dose de sonho. Por isso nós, adultos, somos tão chatos e inventamos palavras como melancolia, suicídio, Demerol... (Risos)

Abraço.
Isolda.

Stella disse...

O poema transmite uma sensação de cansaço tão grande que fiquei cansada também. rs
Caminhão passando por cima de mim.

Beijo, moço. Bom final de semana!

Rafael Belo disse...

Não sonhar cansa. Este, o cansaço, é o sentimento básico da poesia. É um atropelo. Obrigado, moça (risos), ótimo fim de semana beijos Stella.

Rafael Belo disse...

Inventamos palavras tão chatas... (Risos)entediantes nós. Obrigado Is, Beijos