quinta-feira, dezembro 02, 2010

O Outro Lado da Cueca


*(8 O céu é a terra a terra é o céu, o resto é a necessidade do inferno do caminho... Tirei de uma sacada qualquer )

Por Rafael Belo
Este poderia ser trecho daqueles diários íntimos de peça íntimas, ou ‘o Lado B’ da calcinha também... Mas não. É apenas minha mania avessa - esta da qual muitos compartilham. Posso até ser mera ficção, mas seria muito mais irreal se alegasse realidade. Solteirões e solteironas morando sozinhos são um caos. Sim, porque aí começa o outro lado da cueca...! Caótico no meu mundo claro, sei lá o de vocês, mas usar roupas duas vezes, uma vez limpa e outra no verso fingindo não estar suja, costuma ser hábito, meu hábito. Como se a sujeira não infiltrasse nos tecidos...

Diferença evidente do meu mundinho para o do outro lado da cueca é a intimidade. Meu entender de intimidade são coisas públicas, visíveis e palpáveis escondidas enquanto as coisas particulares, invisíveis e impalpáveis são expostas. É tão simples viver assim com as estampas avessas às luzes, dormir com o sol, acordar com a lua... Algo parecido com problemas de anemia e necessidades eternas de transfusão de sangue. Não estou dizendo ser canibal ou vampiro... Tais seres, filhos de Bram Stocker, nasceram em 1897 – do outro lado da página - com a publicação de Drácula, mas andam às escuras só para sugar nossos impostos e outras cositas más... E insistem em dizer terem nascido há milhares de séculos atrás...

Não sabemos o nome de ninguém. Eles não valem nada atrás da cueca, aliás, esqueci de mencionar esta ser usada sobre as calças avessas... Talvez para evidenciar nossa idiotice, nossa melhor qualidade porque inteligência é parente da inveja e é totalmente vazia deste lado da cueca.  Mas, decidi usar minha peça íntima ao contrário e fui solto à deriva no oceano de palavras sábias flutuantes. Meu nome e sobrenome foram bordados ao contrário – para vocês – em minha única roupa (o equivalente a uma roupa por fim de semana- que são cinco dias -).

Encontrei um continente de aparecidos com os meus mesmos detalhes... Intrigante... Parecem todos super-homens cegos e mutilados, mas alguns me indicaram com os pés serem responsáveis pelas tentativas de algo chamado coerência, comunidade, lealdade, honra, Palavra, atenção, equilíbrio, paciência, sinceridade, cidadania, direitos, deveres, carinho, Amor... Mas, quem disse ser verdade!? Quando estava preso e eles desaparecidos também, eram terroristas sociais tentando fazer o mundo permanecer e não acabar.

3 comentários:

Mai disse...

Oi, querido,

As vezes tudo fica, literalmente do avesso, ou somos nós que estamos pelo avesso, ou é o avesso do mundo que nos cai sobre a cabeça

Mas você sempre fotografa de um jeito que me encanta.

Queria depois te apresentar um blog de uma moça - que escreve coisas assim - pelo avesso como tu.

Beijos

Belle disse...

Rafa, acho que o dia-a-dia é que nos faz ficar do avesso...

Vai entender quem faz o que, né!?
Bjos, Rafa.

José María Souza Costa disse...

Rafael, é a vida que nos convida aos desafios, ainda que ela mostre à alma que existe o perfume das rosas. Muito interessante o seu texto. Belissimo. Mas, estou lhe convidando a visitar o meu blog, e se possivel seguirmos juntos por eles.estarei grato esperando vc, por lá
Abraços