domingo, janeiro 31, 2010

Imperialismo

*foto tirada na estrada em "movimento"


A mão pesada cai como ferro nas cabeças de um severo sentimento manso
sacada com punhos fechados de uma raiva adulterada no chão de atalhos
humanos falhos, na ganância de um império faminto sem satisfação
na opressão velada em um riso enfadonho sempre risonho em destruição
sobre a beleza natural das coisas criadas em feridas abertas sem cicatrização
mercenários com mais sangue quente na cara que no corpo entorpecido de capital
estupidez, de proporções enveredadas na cegueira fabricada de vantagem
encapada com a couraça normal de um tecido vigilante diante da imagem da certeza
de posse, na terra de ninguém.


Rafael Belo (Folha de Outono) 11h54, 24 de janeiro de 2010.

4 comentários:

Belle disse...

Rafa, qto tempo!!!!!!!!!!
Já tava com saudades de ler seus fascinantes textos.. e esse, com certeza faz jus ao elogio...
A sede pelo poder faz dos seres humanos vítimas deles mesmos, não só destruindo, como traindo a si próprio, pois tudo não passa de um ato reflexo, hoje ele destrói, amanhã ele que será destruído pela furia de quem tá sendo simplesmente substituido pela ganância... o nosso meio ambiente!

Bjos

La Sorcière disse...

Oi Rafa!!!
Mil desculpas pelo sumiço, mas agora estou aqui de volta, contigo sempre!
Bj

Jamylle Bezerra disse...

Nossa! Haja fôlego. Comeceia ler e só parei no fim... sem explicação.

Beijos e boa semana pra vc!!!!

Rafael Belo disse...

Belle! Estava com saudades suas! :D ganância oooo coisa ruim. beijos thanks

Ae Lalezinha querida. Sempre heheeh beijos

OO Jamy! Agredecido hehehe boa semena