quarta-feira, janeiro 20, 2010

Rostos sofridos


*A foto eu tirei no meu retorno enquanto o sol nascia para dar luz a um novo dia. Alvorada aquarela!

Por Rafael Belo

Crianças nas ruas. Descalças, algumas sem camisetas. Há algo diferente nos olhares. Um vazio, uma necessidade desconhecida para elas. Seus pais têm rostos sofridos, às vezes reclamam da vida, mas por hábito dizem estar “tudo bem”. É uma situação de vida onde falta cidadania, esta tão distante como o bairro asfaltado ao lado ou o centro há alguns ônibus dali.

Eles estão acostumados, assim como muitos de nós, a viver à margem de tudo. Privados de direitos. Olhados com olhos tortos e caminhos desviados pelos mais “abastados”. São rostos velhos salientes cheios de marcas profundas feitas pela navalha cega da vida, antes da juventude chegar. Parecem fadados a viver sempre, nas situações precárias limites onde estão.

Dizem ser futuros marginais aqueles pequenos. Mas, alguns infelizmente já o são. Vejo marginalizados, isto sim. E neste ano atravessadores para políticos vestidos de caráter duvidoso e lascas de madeira e promessas e pão e circo e entretenimento vazio e assim se atrofia a humanidade.

Nas primeiras vezes, fui até as margens da cidade para tratar de tiroteio, brigas de gangue, violência, descaso, buracos, crateras, alagamentos... E há sempre um traço de sofrimento nos rostos curtidos. Enganamos-nos ao comparar: “São iguais mulheres bonitas. São invisíveis. Ninguém vê ou se importa se há vida inteligente por ali”. Já na região central ou com mero abastecimento adequado de água, luz, esgoto e coleta de lixo a face dos assaltados é de ofendidos e alheios a este mundo. No entanto quem tem culpa da dores e alegrias do mundo?! Heim?

Mas, o mais triste é ver as crianças vivendo e sobrevivendo no meio e do lixo. Para quem, como nós, não está largado a própria sorte. Respirar ali é sinônimo de passar mal, de ânsias, de lágrimas... Os menores agressivos feitos animais selvagens sem contato com a civilidade, sem carinho, sem qualquer afeto, vivendo no desamor, usados e abusados já estampam na testa, conforme a visão de muitos, a palavra “perdido”, “drogado” “aprendiz de criminoso”. Palavras cruéis de crianças mostrando os dentes e avançando nos carros ousados ao passar por onde não “lhes diz respeito”.

Vi esta realidade nos poucos lugares em que trabalhei e fotografei nesta minah apaixonada vida jornalística, depois voltei e volto pra casa sem esquecer mais daqueles rostos sofridos. Já no caminho penso um pouco como Carlos Heitor Cony: “E ninguém toma nenhuma providência!?”. Mas eu é que não vou desistir e fechar os olhos e esquecer. Vou insistir para que tomem - não cicuta ou o veneno do trágico amor de Romeu e Julieta, mas as providências.

9 comentários:

Mônica disse...

Hey, bom ver vc de volta!!!

O pior de tudo é que acostumamos a marginalizar e eles acostumam a ser marginalizados... e assim segue o círculo vicioso...

Bjs

Déia disse...

Difícil ver rostinhos sofridos, tanta miséria e voltar bem pra casa, né?

bjkas

Naty disse...

O pior de tudo é que as crianças não podem fazer nada. Na maioria dos casos os pais "criam" os filhos (no caso só colocam no mundo e deixam viver desse jeito). Outros tbm sem condições, fazem as crianças pedirem dinheiro nas ruas.
Muitos crescem, viram marginais e é assim que o Brasil fica.
Ninguém toma providências.

É triste ver tudo isso e não podermos mudar o mundo sozinhos.
Não tem como ver essas coisas e voltar pra casa e fingir que está tudo bem.

Belo post.

Rafael Belo disse...

Obrigado Mônica. É imensamente ótimo voltar! Ainda bem que eu tenho o costume de não me acostumar, chega de vícios! hehehe... bjs

Com certeza Déa. Não sei como "conseguem" ficar indiferentes. bjs

Fingir... Esta é a máscara mais vendida...! "O" pior e "o"o triste. Brigaduuu Naty. Bjs

Celsina disse...

Rafa, estava com tanta saudade de seus posts, suas críticas carregadas de verdades, verdades estas que todos fingem não ver/saber e continuam suas vidas como se tudo estivesse "normal".

Não some assim mais não viu Rafa! rsr =)

Beijos!
=D Cel

Rafael Belo disse...

Obrigada Celzinha bela. Estava com muitas saudades também. Não sumirei mais assim. beijos%)

socorro disse...

tudo isso é um círculo vicioso e pouco podemos fazer..pois nossos governantes permanecem estáticos diante de tanta miséria.sos

Branca disse...

Linda reflexão. Seus textos expiram e inspiram. Lembrei do que dizia Ferreira Gullar em "Não coisa". Dê uma lida. Vale a pena.

Rafael Belo disse...

Vindo de ti é mais que um elogio, Géo! "thankyou". Lerei beijos .