sábado, janeiro 30, 2010

Nuvens Vertentes

* foto tirada exatamente assim, enquanto virava omundo de ponta cabeça

Chora chuva pelas lágrimas vertidas das nuvens coloridas de outrora
Chova guardada na nascente de um dia novo cavalgando pelo lume da aurora
Chore até um outro alvorecer, até ser orvalho do sereno do luar

Uma manha limpa vertendo dos olhos,
que revigorem,
o olhar,
Guardarei tuas pérolas choradas como uma praia de seus grãos de areia
Onde ateia a flâmula ardente e repousa a vida contínua

Toda dor chove um dia por fora ou vive a chover por dentro
Um sofrimento

Natureza humana de sentir e esconder o que sempre está lá
A incomodar tantos fingimentos, nos labirintos dos esconderijos lamacentos

Até raiar uma luz, rolando das nuvens nubladas do coração.

17 de janeiro de 2010, Folha de Outono (Rafael Belo) 19h52.

5 comentários:

Mai disse...

Esse me pegou, Rafael - imagem e texto, demais. Gosto desse teu olhar singular que vira tudo de ponta cabeça. São vertentes, são nuvens, são as mentes inquietas.

Abraços

Naty disse...

Eita... essa ficou ótima, heim!
Quero sempre deixar chover as lágrimas das minhas tristezas e limpar todas impurezas que há em mim.
Quero que chova constantemente, não quero acumular as dores aqui.
Quero que chova exteriormente e que interiormente só chova a abundância de felicidade e prosperidade.

Tenho que admitir que é de se admirar.
O texto e a imagem... Ai ai ai... viajei.

Beijos.

Rafael Belo disse...

Inquieta mente atendendo por Mai, que ótim olinda é bom saber que venho melhorando, pois esta é a vida hehehe todos já andam com os pés porque não andarmos com as mãos >D muiiito agradecido fico. bjs

Choras é preciso, conter não. Certo Naty?! hehe Obrigado mesmo linda. Viajar é mais preciso ainda... beijos ótimo domingo.

Mônica disse...

Acabei nem dando as boas vindas de volta. Esses meus últimos dias têm sido corridos e tenho comentado em alguns blogs quase babando de sono e morta de cansada...rs

Bom ver vc por aqui de novo!

Bjs

Rafael Belo disse...

Bom ver você aqui sempre , Nikinha, e como dizer "um figura televisivo" é um prazer inenarrável tua presença. E voltar, Ah, era invevitável para minhas sobrevivência inteligente hauahau beijos linda