terça-feira, outubro 22, 2013

Construindo as dificuldades



Construindo as dificuldades
por Rafael Belo
As próprias mãos constroem e destroem com uma dificuldade contraditória. Enquanto a construção é árdua e demorada, a destruição só pede um pouco de líquido inflamável e fogo ou uma simples pedrada. Destruir, normalmente está ligado a um sentimento mal redirecionado que acaba por criar um efeito dominó incendiário aonde muitos perdem por causa de um só. Mais uma vez o egoísmo chacoalha todas as árvores para colher todos os frutos que murcharam e perderam sua sustância inevitavelmente.

Olhando bem, também podemos associar a construção de imagem, principalmente daqueles acompanhados bem de perto. São tantas peles, personalidades e lobos devorando ovelhas a ponto de uma descrença latejar dentro de nós. Aquela situação onde a prática não passa da teoria dos ouvidos agradados. Enquanto isso, os ventos fortes fazem a sonoplastia do mormaço e do imenso calor lá fora. Assim, as ovelhas se vestem de lobos e deixam de ser ovelhas querendo pastorear a falsos rosnados seu balir inconfundível.

No fim da história vestir outras peles caminha pela destruição, o que não constrói nada nem hoje nem amanhã. Enquanto as responsabilidades são delegadas ou maquiadas de feitas, um imenso véu cobre os olhos de quem quer acreditar nas boas intenções e na aparência. Agradar a todos e se posicionar conforme o interesse ou não se posicionar é no mínimo suspeito, mas nesta segunda-feira – quando esta crônica foi escrita - as teorias da conspiração nunca estiveram tão em alta com o Facebook cheio de falhas sem curtir, compartilhar, comentar, postar... Como “censura”? E o Youtube não rodando... ?

Resumindo tudo em 140 caracteres, pois o Twitter está funcionando, o que está acontecendo com a teoria de sermos espionados agora estar confirmada, mas não só pelos Estados Unidos, mas também pelo Canadá? Quem é ovelha e quem é lobo nesta constante destruição das imagens que criamos? Difícil saber no meio de tanta destruição quem são as pessoas realmente. Mas a dificuldade diminui se construirmos relações verdadeiras e profundas, não de imagens e interesses, utilizando não só as mãos, mas principalmente os olhos e os ouvidos.

2 comentários:

José María Souza Costa disse...

Olá, bom dia.
Tomara que estejas bem.
É o tempo que nos convida a recordar dos momentos, e fazer dos sonhos, cantos com ou sem rimas. São os sentimentos, que desperta na Alma, os desejos de cantar e conquistar. Ser, o que desejar ser. E assim, segue os olhares e os risos, quase sempre debochando do raiar de um novo contentamento.
Um abraço

Rafael Belo disse...

sim sim. Procurando sempre evoluir, mas sabendo aguardar. é o debochar do raiar :D obrigado meu caro, espero que também estejas bem. outro abraço