sexta-feira, agosto 21, 2009

O Filho de Murphy


(quintal, era uns dos milhares da minha falecida vózinha)
Por Rafael Belo

Ele acordou, como costuma fazer depois de dormir, sempre irritado por ter de levantar, sair do quentinho e do breu gostoso do próprio quarto -ou de um quarto qualquer. Já que vive de aluguel e de favores. Sentia algo estranho e pensou não ser nada anormal. Ledo engano. Dário Impossível logo descobriria sons desconcertantes saindo da própria boca. Mas, por enquanto estava calado e com gosto amargo da fome. Ainda não abrira a boca sequer para bocejar o sono ainda trajado de amassos.

De repente o acúmulo de bocejos evidentes pelos olhos lacrimejados e de-o-quê-estou-fazendo-acordado foi mais forte e um forte múúúúúúu ressoou na cozinha vazia. Blam e caimcaimcaimcaimcaim seguidos de um longuíssimo e assustado méééééééé vieram do chão. Assim, aos sair do primeiro som, Impossível tomou o maior susto da vida antes de tomar o copo de leite, se jogando para trás e despencando de costas no chão de madeira. Eles emitia todos aqueles sons? Desde quando se tornara poliglota animal?

Sem resposta passou a língua nos lábios que silvou tssssssss e ele pulou do chão para a mesa que quebrou uma das pernas e o jogou no chão a emitir guturais uuuuuuuaaaaauuuuaaaaaa. Ele lembrou de Tarzan, mas ele não era rei de nada nem de bosta. Não era órfão ou Mogli. Não era viajado nem conhecido. Era um puta de um anônimo, mas não rodava bolsinha na esquina muito menos impedia que rodassem. Mas, seu cérebro Neandertal coçador de saco, impossivelmente processava alguma resolução. Não, processava mesmo era a causa de tudo. Pensou algo ao som da noite uuu uuu uuu. Corujão plena manhã.

Então, piou muito e soltou trrruuubrrruu e já que estava nessa relinchou. Pegou sua bolinha favorita de trinta anos e ficou jogando pra cima ronronando, rindo feito hiena da sua cômica tragédia.começou a rosnar e realmente teve vontade de morder o próprio rabo imbecil. E ficou rodando sobre o próprio eixo. Animal! Vivia como um animal auaauaua. Vivia agredindo verbalmente os outros com coices e patadas. Tirando vantagem das carcaças da vida, feito urubu reinando na falida procriação dos seus genes. Pensava voar alta feito a livre águia quiáquiáa, mas era mais para um roarrrrrr, um leão sem bando. Abandonado feito um gatinho indefeso de um circo malcriado, sem garras nem juba.

Após balir e uivar ao mesmo tempo. Pensou ser filho de Gérson, mas não, era filho de um bom macaco. E uiiii feito um porco aproveitou a lavagem e pensou bem ruminante: vou tirar vantagem de tudo isso. Em um quase coito saiu galopando para avisar alguém da sua vantagem animal. Quem convive com animais selvagensenfurecidos? Abandonado ele deveria ir para adoção – mas quem quereria? Ele não sabia ser na verdade filho de Murphy e de uma camisinha furada e daquelas mudanças que você sempre deixa e/ou esquece um cachorro pra trás. Só que ele era o cachorro.

14 comentários:

La Sorcière disse...

Seus mini contos são sempre sensacionais!!! Gosto de verdade.
Este conto tem um humor ácido e sarcástico. Muuuito bom!
Bj

Rafael Belo disse...

Obrigado pelo carinho Lezinha! Gosto de utilizar de acidez e sarcamo às vezes ehehhe bj

Belle disse...

0.0 Nossa Rafa!!!
Mto forte hein!!
Gostei mesmo dessa mistura de tons!!
Bjos

☆ Sandra C. disse...

eu senti essa evolução já comentada acima, acerca dos teus textos. quando vim aqui as primeiras vezes, lembro-me que mais parecia um diário. mas teus textos ganharam corpo, e você chega a escrever esses contos situacionais, e pessoais. e usa esse recurso da 'imagem', e à medida que vc usa a gente contrói a sua personalidade, à nossa maneira (já que somos leitores!).

beijo! bom texto, boa narrativa!

Rafael Belo disse...

Bellinha adorada, este é o único caso que gosto de misturar hehehe ah os tons... bjs

Rafael Belo disse...

Drinha querida hehehe alguns "eus" já tinham evoluído outros não. Deixei os outros escreverem por um tempo (risos) porque para me formar um, são necessárias várias multidões de mim. beijos
ps: diga mais sobre sua construção da minha pessoa, que é parte da ideia mesmo.

Jamylle Bezerra disse...

Belo conto! Gostoso de ler. :)

Bom domingo Rafa!

Rafael Belo disse...

Brigaduu Jamy! COm esta chuvinha por aqui será ótimo, sério. beijos

Mai disse...

Belo gato, belos olhos, belo texto. Belo Rafael, Belo.

Abraços, e boa semana.

Rafael Belo disse...

Que beleza Mai! (risos) Obrigado pra ti tb

Karen disse...

Ah, cada vez melhor, Rafael. Adorei :D

Celsina disse...

Toda vez que venho aqui fico pensando em como você consegue fazer esses textos lindos, tipo... Como surge (comigo só vem na cabeça textos lindo quando estou triste rsr)
Adoro essas coisas inimagináveis que você escreve...Essas misturas, é sempre uma surpresa vim aqui :)
(...)
Haa, a postagem "Antes" é mesmo maravilhosa!

Beijos querido Rafa!

Rafael Belo disse...

Obrigado Ka; Boa semana. bj

Rafael Belo disse...

AH, Celzinha linda Sempre com belas palavras, obrigadoo querida. Beijos