terça-feira, agosto 04, 2009

Um nó


(Pelas ruas de CG, tirei perto da casa da minha vó)

Há dentro de nós certa mentira
a dizer nossa falta de se envolver
Mais ao fundo, há certa verdade em nós
sempre nos envolvendo

Somos um nó de questionamentos

Desatar em entrega,
é um arrepio inconsequente no abismo do estômago

Então, há aquela canção trilhando momentos como este
nos levando ao longe, distante desembaraçar

no nosso desembaraço sorrimos
do nosso ridículo particular

Rimos por não nos atrever, atrevidos
a querer equilibrar as coisas


rimar apenas por versos de felizes finais iguais

Quero desequilibrar hoje
Cair, quebrar, não procurar nem ceder explicação

Chega de nós.


Folha de Outono (Rafael Belo), às 19h19, 13 de julho de 2009.

17 comentários:

La Sorcière disse...

Gostei da maneira que vc brincou com os opostos...
Bj!
Ah....tem selinho para vc no blog!

Rafael Belo disse...

Adoro brincar com opostos juntá-los desfazê-los acentuá-los... Obrigado La Lê. Beijos

Déia disse...

Adorei!! as vezes é bom desequilibrar... sair do esperado... desatar os nós... ou atá-los ....Parabens!! bj

Nikinha disse...

Embora condenemos as contradições, somos cheios delas!

Bjs

Belle disse...

"no nosso desembaraço sorrimos
do nosso ridículo particular"
Quem não fica desse jeito qdo estar amando outra pessoa??!!!
Além do seu poema ser lindo, adorei a forma como vc usou as palavras!
Bjão

Deise Anne disse...

rir do nosso ridículo particular é uma lição divertidíssima.
adoro me lembrar das vezes que me meti em situações que rir era o melhor remédio.

Rafael Belo disse...

E bom "brincar" com o(s) nós (risos), Déia. beijos linda e obrigado.

Rafael Belo disse...

É Nikinha, assisti os condenados ontem (risos). Se não fossem as "contradições" nada seríamos. bj

Rafael Belo disse...

Aaa Brigaduu Bellinha, adoro me divertir com as palavras e seus significados. beijaços

Rafael Belo disse...

"Verdade" De, não sei se é melhor o nosso rir o a cara de o-quê-tá-acontecendo dos outros (risos). Beijos.

Dora disse...

Pois é, fugir dos padrões é sempre bom. Eu que o diga, ando fazendo isso já faz um tempo.
E adorei:
"Rimos por não nos atrever, atrevidos
a querer equilibrar as coisas"

Cheiro grande e boa tarde.

Isolda Herculano disse...

Gostei muito, Rafael. Somos mesmo esse misto de verdades que inventamos e mentiras que a vida nos conta, se levarmos em consideração nosso próprio extremismo. Como diz meu primo Levi: “a mentira nos atrai, nós a atraímos. É uma troca que dá certo”. Quase sempre. Quase sempre.

E chega de nós! (Risos)

Abraço.
Isolda.

Rafael Belo disse...

Cheiro gradne Dora. É tão bom ver os versos que marcam cada um. Boa tarde linda beijos

Rafael Belo disse...

Nossa, Is, aja extremismos, adoramos as "extremidades". Quase sempre... (risos risos risos risos) Beijosquerida.

Celsina disse...

Olá!
Lindo, amei a maneira como vc encaixou direitinho as palavras, li hoje grante parte do seu blog... dos poemas, nossa, são tão lindoss!!
Parabéns! =)

Me identifiquei muito com esse ^^

Beijoss Rafa!

Rafael Belo disse...

Obrigado Cel. Volte. Estou pensando em colocar uma hist´roia que estou montando bemmmm grande veremos. beijos Linda ótima quarta.

Celsina disse...

COLOCA, COLOCA, COLOCA!!!!
...
=D