quinta-feira, agosto 10, 2017

misturança




vento varre vitorioso chamando lá fora a memória
as luzes dos olhos se acendem vendo um balão mágico
conectado com o trem da alegria sem pagar passagem
ri a mensagem não dita escrita no embaçar da janela do olhar

superfantástica infância chamando para girar sem parar
dando o ar da imaginação voando até outra dimensão divertidamente
presente no plunct plact zuum indo em toda viagem brincar

além do arco-íris escalar o horizonte para pintar de chocolate o criar
vendo de ponta cabeça nuvens beijadas feitas  doce algodão do suspirar

é chata esta terra desencantar a roda gigante parar distante o carrossel deixe a infância despertar o agora eu era qualquer querer do papel vamos correr para a Terra do Nunca voltar e acabar com todo caminho cruel.


+ às 09h54, Rafael Belo, quinta-feira, 10 de agosto de 2017 +

Um comentário:

Maria Belo disse...

.....é chata esta terra...! Lindo